As Estratégias de Internacionalização da Indústria Brasileira de Papel e Celulose sob a Ótica do Paradigma Eclético: Estudo de Caso da Empresa Suzano Papel e Celulose

Mayra Batista Bitencourt Fagundes, Carla Christina de Oliveira Viana, Leandro Sauer, Jeovan De Carvalho Figueiredo

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar o processo de internacionalização da indústria brasileira de papel e celulose. Esta análise possui um viés econômico, fundamentando-se no modelo de internacionalização do Paradigma Eclético de Dunning (1980) com vistas a identificar as estratégias de internacionalização, bem como os principais motivadores que possibilitaram atingir novos mercados. Foi adotada metodologia qualitativa, desenvolvida por meio de um estudo de caso na empresa Suzano Papel e Celulose, uma empresa brasileira, líder global do setor de papel e celulose, com forte presença no mercado internacional. Os dados foram obtidos em pesquisas bibliográficas, dados estatísticos, press-releases e documentos oficiais da empresa. Para o tratamento dos mesmos utilizou-se a técnica de adequação ao padrão, a qual possibilitou contrastá-los com a teoria selecionada. Os resultados revelaram que a Suzano adotou diretrizes diferenciadas para a comercialização de papel e de celulose. O papel destina-se prioritariamente ao mercado interno, enquanto que a maior parte da celulose produzida destina-se ao comércio internacional. A empresa se internacionalizou por possuir, de acordo com o Paradigma Eclético, as vantagens de propriedade e de internalização sobre seus competidores. As estratégias utilizadas consistem na busca por mercados (market seeking), busca de eficiência (efficiency seeking) e busca de ativos estratégicos (strategic asset seeking). Conclui-se que a Teoria do Paradigma Eclético constitui-se em um instrumento adequado para análise do processo de internacionalização das indústrias de papel e celulose.

DOI:10.5585/riae.v11i3.1896


Palavras-chave


Internacionalização; Papel e Celulose; Estratégias.

Referências


Além, A.C.; Cavalcanti, C.E. O BNDES e o Apoio à Internacionalização das Empresas Brasileiras: Algumas Reflexões. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, V. 12, n. 24, p. 43-76, dez. 2005.

Andersen, O.; Buvik, A. Firm’s internationalization and alternative approaches to the international customer/market selection. International Business Review, 11, p.347-363, 2002.

Associação Brasileira de Celulose e Papel – BRACELPA. Relatório de sustentabilidade 2010. Disponível em: < http://www.bracelpa.org.br/bra2/?q=node/451> Acesso em: 22 set 2012.

Associação Brasileira de Celulose e Papel– BRACELPA. Dados do setor: agosto 2012. Disponível em: < http://www.bracelpa.org.br/bra2/sites/default/files/estatisticas/booklet.pdf> Acesso em: 22 set 2012.

Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas - ABRAF. Anuario estatistico da ABRAF 2012 ano base 2011. Brasília: ABRAF, 2012.

Barreto, A. A internacionalização da firma sob o enfoque dos custos de transação. In: Rocha, A. (Org.). A internacionalização das empresas brasileiras: estudos de gestão internacional. 1. ed. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

Brito, C.; Lorga, S. Marketing Internacional. Porto: Sociedade Portuguesa de Inovação, 1999.

Carneiro, J; DIB, L.A. Avaliação comparativa do escopo descritivo e explanatório dos principais modelos de internacionalização de empresas. INTERNEXT – Revista Eletrônica de Negócios internacionais da ESPM, São Paulo, V. 2, n. 1, p 1-25, jan./jun. 2007.

Cateora, P. R.; Graham, J. L. International Marketing. New York: McGraw-Hill, 1996.

Collis, J.; Hussey, R. Pesquisa em administração. 2 ed. São Paulo: Bookman, 2005.

Queiroz, L. R. R.; Barrichelo, L. E. G. A celulose de eucalipto: uma oportunidade brasileira. 1 ed. São Paulo: Avis Brasilis, 2008.

Dunning, J. H. The eclectic paradigm as an evolve for economic and business theories of MNE’s activities. International Business Review, v. 9, p. 163–160, 2000.

______.The eclectic paradigm of international production: a restatement and some possible extensions. Journal of International Business Studies, v. 19, n. 1, 1988.

Ferreira, G. F. O processo estratégico de internacionalização da Gerdau. 2007. 140 f. Dissertação (Mestrado em Administração). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2007.

Fleury, A.; Fleury, M. T. L. Para pensar o processo de internacionalização das empresas brasileiras. In: Boletim do Núcleo de Política e Gestão Tecnológica da Universidade de São Paulo. INOVA. Ano XIII. n. 45. Jan/Fev/Mar. 2006.

Núcleo PGT/USP.

Fundação Dom Cabral – FDC. Ranking das trasnacionais brasileiras 2011: crescimento e gestão sustentável no exterior. Nova Lima: Fundação Dom Cabral, 2011.

Gao, T. The contingency framework of foreign entry mode decisions: locating and reinforcing the weakest link. The Multinational Business Review, Vol.12, nº1, Spring. 2004.

Gomes, E. B. A globalização econômica e a integração no continente americano: desafios para o estado brasileiro. Ijuí: UNIJUÍ, 2004.

Gomes, I. M. B. Segmento brasileiro de polpa celulósica: evolução, competitividade e inovação. 2011. 155 p. Tese (Doutorado em Ciências) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, 2011.

Hamel, G.; Prahalad, C.K. Do you really have a global strategy? Harvard Business Review, Boston, Jul/Aug 1995.

Hitt, M.A.; Ireland, R.D., Hoskisson, R.E. Administração estratégica: competitividade e globalização. São Paulo, Pioneira Thomson Learning, 2003.

Iglesias, R.M; Veiga, P.M. Promoção de exportações via internacionalização das firmas de capital brasileiro. In: Markwald, A.C.P; Pereira, L.V. (Orgs), O desafio das exportações. Rio de Janeiro: BNDES, 2002.

McGaughey, S. Reading as a method of inquiry: representations of the born global. Management International Review, 46, 2006/4, p.461-480, 2006.

Oliveira Junior, M. M.; Cyrino, A. B. Pesquisa sobre internacionalização da empresa brasileira: sumário executivo – Relatório de Pesquisa. Nova Lima: Fundação Dom Cabral, 2002.

Pereira, J.G.S. O investimento direto externo no Brasil entre 1995 – 2005: uma análise dos setores bancário, automotivo e de alimentos e bebidas. 2007. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-graduação em Economia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

Rocha, A. (Org.) A internacionalização das empresas brasileiras: estudos de gestão internacional. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

Root, F. R. Entry Strategy for international markets. San Francisco: Jossey-Bass, 1994.

Sarathy, R; Terpstra, V. International Marketing. 5. Ed. Orlando: Dryden Press, 1991.

Simões, V.C. Estratégias de internacionalização das empresas portuguesas. In: ICEP – Investimentos, Comércio e Turismo de Portugal (Ed.) Comércio e investimento internacional. Lisboa: ICEP, 1997.

Suzano Papel e Celulose. Trajetória Suzano. Disponível em: < http://www.suzano.com.br/portal/grupo-suzano.htm> Acesso em: 22 set 2012.

Suzano Papel e Celulose. Relatórios de sustentabilidade. Disponíveis em: Acesso em: 22 set 2012.

Vergara, S.C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2003.

Welch, L. S.; Luostarinen, R. K. Internationalization: evolution of a concept. Journal of General Management, 14(2), 34-55, 1988.

Yin, R.K. Estudo de caso – planejamento e métodos. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.


Texto completo: PDF