Balanced Scorecard na Prática da Gestão de um Laboratório Acadêmico

Miriam Magdala Pinto, Bruno Mannato Angius

Abstract


O Balanced Scorecard (BSC), utilizado em todo seu potencial, é um sistema de gestão estratégica essencialmente utilizado por empresas. Entretanto, com adaptações, pode ser utilizado por Organizações Sem Fins Lucrativos (OSFL). Seu uso, neste caso, ainda precisa ser mais bem investigado. O artigo relata a experiência e lições aprendidas com o BSC em um laboratório acadêmico durante dezesseis meses. O processo incluiu planejamento inicial, três rodadas de medição de desempenho e revisão do planejamento. O principal resultado do processo foi o fortalecimento da identidade do laboratório. O BSC, com algumas alterações em relação ao modelo usado por empresas, mostrou-se adequado para definição coletiva da estratégia, fortalecimento da identidade do grupo envolvido, medição de desempenho e comunicação de resultados sem, no entanto, ter alcançado a maturidade de um sistema de gestão estratégica durante o período da experiência.


Keywords


aprendizado organizacional; gestão estratégica; organização sem fins lucrativos

References


Ackoff, R. L. (1970). A concept of corporate planning. New York: Wiley-Interscience.

Ansoff, H. I. (1965). Corporate strategy: an analytic approach to business policy for growth and expansion (p. 241). McGraw-Hill.

Bain, Rigby, D., & Bilodeau, B. (2013). Management Tools & Trends 2013.

Brignall, S. (2002). The unbalanced scoredcard: a social and environmental critique. Perfornance Measurement and Management: Research and Action, 85–92.

Hoque, Z. (2013). 20 years of studies on the balanced scorecard: Trends, accomplishments, gaps and opportunities for future research. The British Accounting Review, 1–27. doi:10.1016/j.bar.2013.10.003

Idenburg, P. J. (1993). Four styles of strategy development. Long Range Planning, 26(6), 132–137.

Kaplan, R., & Norton, D. (1992). The Balanced Scorecard - Measures that Drive Performance. Harvard Business Review, 70, 71–79. doi:00178012

Kaplan, R., & Norton, D. (1993). Putting the balanced scorecard to work. Harvard Business Review, 71, 134–147. doi:10.1177/1056492604268208

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (1996a). The Balanced Scorecard: Translating Strategy into Action (p. 336). Harvard Business Review Press.

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (1996b). Using the Balanced Scorecard as a Strategic Management System. Harvard Business Review, 74, 75–85. doi:10.1016/S0840-4704(10)60668-0

Mendes, P., Santos, A. C., Perna, F., & Teixeira, M. R. (2012). The balanced scorecard as an integrated model applied to the Portuguese public service: a case study in the waste sector. Journal of Cleaner Production, 24, 20–29. doi:10.1016/j.jclepro.2011.11.007

Mintzberg, H. (1973). Strategy-making in three modes. California Management Review, winter, 44–55.

Mintzberg, H. (1987). Crafting strategy. Harvard Business Review, July-August, 66–75.

Mintzberg, H. (1990). The Design School: reconsidering the basic premises of strategic management. Strategic Management Journal, 11, 171–195.

Niven, P. R. (2007). Balanced Scorecard - Passo - A - Passo: Elevando o Desempenho e Mantendo Resultados (p. 403). Qualitymark Ed.

Norreklit, H. (2000). The balance on the balanced scorecard a critical analysis of some of its assumptions. Management Accounting Research, 11(1), 65–88. doi:10.1006/mare.1999.0121

Oliveira, D. R. de P. (2011). Planejamento estrategico: conceitos, metodologia, praticas (29ª. ed., p. 335). Atlas.

Quinn, J. B. (1989). Strategic change, logical incrementalism. Sloan Management Review, 55–58.

Steiner, G. A. (1979). Strategic Planning: what every manager must know (p. 383). New York: The Free Press.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional