Rede de Negócios em Empresas de Telecomunicações: O Caso Algar Telecom

Patricia Viveiros de Castro Krakauer, Jaércio Alex Silva Barbosa, Rita de Cácia Rodrigues de Oliveira Knop

Abstract


O presente estudo volta-se para a temática de rede de negócios em empresas de telecomunicações e tem como objeto de estudo a Algar Telecom, que se destaca por ser uma das empresas mais inovadoras e rentáveis no setor de telecomunicações. Com a pesquisa buscou-se investigar a intensidade da rede de negócios formada pela Algar Telecom, objetivando o entendimento de quais fundamentos teóricos podem ser aplicáveis ao setor de telecomunicações. Foi realizada uma revisão da literatura abordando temas relacionados às empresas de telecomunicações e rede de negócios, sendo que tais dados constituíram o alicerce para o desenvolvimento da pesquisa empírica. Trata-se de uma pesquisa exploratória descritiva, qualitativa, optando-se pelo método de estudo de caso único. A análise do caso demonstrou que a rede de negócios da Algar Telecom tem baixa intensidade nas redes estudadas, sendo que seis fundamentos teóricos foram observados e apenas 2 em maior intensidade, mostrando que dada as particularidades do setor, nem todos os fundamentos podem ser aplicáveis. Este artigo contribui tanto academicamente ao ampliar o conhecimento sobre a temática quanto com a prática de empresas de telecomunicações inseridas em um ambiente volátil e altamente competitivo.


Keywords


Rede de Negócios; Telecomunicações; Fundamentos Teóricos

References


ALGAR TELECOM (2014). Disponível em: http://www.algartelecom.com.br Acesso em: 29/03/2014.

Ali-Yrkkö, J. (2000). Nokia’s network – gaining competitiveness from co-operation. Helsinki, ETLA, Elinkeinoelämän Tutkimuslaitos, The Research Institute of the Finnish Economy. Disponível em: http://www.etla.fi/wp-content/uploads/2012/09/B174.pdf Acesso em: 29/03/2014.

ANATEL. (2011). Plano Geral de Metas de Competição. Disponível em: http://www.anatel.gov.br/Portal/exibirPortalNoticias.do?acao=carregaNoticia&codigo=23195Acesso em: 14/10/2012.

Boaventura, J. M. G. & Siqueira, J. P. L. (2008). A estratégia e as redes de negócio. Anais de: X SEMEAD, São Paulo, FEA, USP.

Considera, C. M., Franco, F. A. L., Saintive, M. B., Teixeira, C. P., Pinheiro, M. C., Moraes, R. K., Santana, P. M. & Soares, D. P. (2002). O Modelo Brasileiro de Telecomunicações: Aspectos Concorrenciais e Regulatórios. Disponível em: www.seae.fazenda.gov.br/central_documentos/...1/doctrab18.pdf

Acesso em 14/10/2012

Domazet, A. & Sarić, N. (2009). Strategies of mobile virtual network operators in the southeast Europe region. Interdisciplinary Management Research. V 5:123-135.

Dutra, I. S., Zaccarelli, S. B. & Santos, S. A. (2008). As redes empresariais de negócios e o seu poder competitivo: racionalidade lógica ou estratégica? Revista de Negócios, Blumenau, v. 13, n. 1, p.11 – 27.

Eisenhardt, K. M. (1989). Building Theories from Case Study Research. Academy of Management Review, v. 14, n. 4, p. 532-550.

Fransman, M. (2002a). Mapping the evolving telecoms industry: the uses and shortcomings of the layer model. Telecommunications Policy, v. 26, n. 9-10, p. 473-483.

––––––. (2002b). Telecoms in the Internet Age: from boom to bust to...? Oxford: OxfordUniversity Press.

––––––. (2007). New ICT ecosystem. Edinburgh: Kokoro.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

______. (1987). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

GSMA. Brazil Mobile Observatory 2012. Disponível em: http://www.gsma.com/MO.

http://www.gsma.com/publicpolicy/wp-content/uploads/2012/03/gsma_brazil_obs_web3_09_12.pdf Acesso em 12/10/2012

IPEA. (2010). Séries Eixo do Desenvolvimento Brasileiro, N. 57. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=1378

Acesso em: Outubro/2012

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2005). Fundamentos da metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Porter, M. E. (1986). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus.

Spell. 2013. Disponível em: http://www.spell.org.br/ Acesso em: Outubro/2013

THE WORLD BANK GROUP. (2012). Information and Communication Technologies Department. Disponível em: www.worldbank.org/ict Acesso em 11/10/2012

Tigre, P. (2010). Perspectivas do investimento em tecnologias de informação e comunicação. Relatório integrante da pesquisa Perspectivas do Investimento no Brasil. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/empresa/pesquisa/pib/pib_tics.pdf Acesso em 11/12/2012.

Tull, D. S. (1976). Marketing Research: Meaning, Measurement, and Method. NY: Macmillan.

WEB OF SCIENCE. Disponível em: http://apps.isiknowledge.com/WOS_GeneralSearch_input.do?product=WOS&search_mode=GeneralSearch&SID=3AiJoM85GjA5akh6mPp&preferencesSaved Acesso em Junho/2013

Yin, R. (2005). Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman.

Zaccarelli, S. B., Telles, R., Siqueira, J. P. L., Boaventura, J. M. G. & Donaire, D. (2008). Clusters e Redes de Negócios: uma nova visão para a gestão dos negócios. São Paulo: Atlas.

Zanni, P. P., Moraes, G. H. S. M. & Mariotto, F. L. (2011). Para que servem os Estudos de Caso Único? Associação Nacional de pós-graduação e pesquisa em administração, ANPAD, Rio de Janeiro. Anais de...

Zhao, Y. & Liu, Y. (2008). Organizational change: A case study on Anhui Telecom Company. International Seminar on Business and Information Management. ISBIM, V. 2, China.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756