A Administração Estratégica do Capital Intelectual: Um Modelo Baseado na Capacidade Absortiva para Potencializar Inovação

Alessandra Cassol, Claudio Reis Gonçalo, André Santos, Roberto Lima Ruas

Abstract


O capital intelectual é percebido como um recurso estratégico capaz de ser propulsor da inovação. Neste contexto, sugere-se que o capital intelectual e a capacidade absortiva podem ser influenciadores da capacidade de inovar nas organizações e propõe-se um Modelo de administração estratégica do capital intelectual. Este artigo tem como objetivo propor e analisar um Modelo de Administração Estratégica do Capital Intelectual a partir de práticas da capacidade absortiva como potencializadora de inovação. Como método utiliza-se a pesquisa exploratória com abordagem quantitativa e aplicação de questionários para uma amostra de 104 gestores. Na análise dos dados utiliza-se a técnica de modelagem de equações estruturais por meio do Partial Least Squares (PLS), com a análise dos coeficientes de caminho observa-se uma forte relação entre os constructos o que confirmou as hipóteses da pesquisa. Verificamos que as práticas organizacionais adotadas para o desenvolvimento do capital intelectual, da capacidade absortiva e da inovação são: a) capacitação constante dos colaboradores; b) programas de sugestões; c) assimilação de novas tecnologias; d) aplicação de conhecimentos técnicos; e) parcerias com órgãos de apoio à inovação. Como contribuições, as evidências encontradas indicam que a capacidade absortiva promove o avanço da inovação, podendo ainda ser possível observar práticas de gestão do capital intelectual a partir de rotinas organizacionais.


Keywords


Capital intelectual; Capacidade absortiva; Inovação

References


Acedo, F. J., Barroso, C., & Galan, J. L. (2006). The resource-based theory. Dissemination and main trends. Strategic Managament Journal, 27, 621-636.

Almeida, P. (2008). Inovação sem inteligência é apenas criatividade sem objetivo. Agência Sebrae. Recuperado em 24 março, 2013, de http://www.agenciasebrae.com.br/

Associação Brasileira de Celulose e Papel. (2013). Papel. Recuperado em 05 maio, 2013, de http://www.bracelpa.org.br/web/pt/nossos-produtos/papel.htm

Barney, J. B. (2001). Is the resource-based “view” a useful perspective for strategic management research? Yes. Academy of Management Review, 26, 41-56.

Beije, P. (1998). Technological Change in the Modern Economy. London: Edward Elgar Publishing Limited.

Camisón, C., & Forés, B. (2010). Knowledge absorptive capacity: New insights for its conceptualization and measurement. Journal of Business Research, 63 (7), 707-715.

Carbone, P., Brandão, H., Leite, J. B., & Vilhena, R. M. (2005). Gestão por competências e gestão do conhecimento. Rio de Janeiro. Ed. FGV.

Cohen, J. (1992). A power primer. Psychological bulletin, 112 (1), 155.

Cohen, W. M., & Levinthal, D. A. (1989). Innovation and learning: the two faces of R&D. The Economic Journal, 89, 569-596.

Dias, M. F. P., & Pedrozo, E. A. (2012). Desenvolvimento sustentável nas inovações tecnológicas da indústria alimentícia Brasileira: em qual estágio estamos? Organizações Rurais & Agroindustriais, 14 (3), 297-311.

Dumay, J., & Garanina, T. (2013). Intellectual capital research: a critical examination of the third stage. Journal of Intellectual Capital, 14 (1), 10-25.

Edvinsson L., & Malone, M. S. (1998). Capital intelectual: descobrindo o valor real de sua empresa pela identificação de seus valores internos. São Paulo: Makron Books.

Edvinsson, L. (2012). IC 21 - Reflections from 21 years of IC practice and theory. Journal of Intellectual Capital, 14, 1-11.

Eisenhardt, K. M., & Santos, F. M. (2002). Knowledge-based view: anew theory of strategy? In: M. Earl. Knowledge management strategies: towards a taxonomy. Journal of Management Information Systems, 18, (1) Summer.

Flatten, T. C., Engelen, A., Zahara, S. A., & Brettel, M. (2011). A measure of absorptive capacity: scale development and validation. European Management Journal, 29 (2), 98-116.

Freeman, C., & Soete, L. (2008). A economia da inovação industrial. Campinas: Ed. Unicamp.

Gracioli, C., Godoy, L. P., Lorenzett, D. B., & Godoy, T. P. (2012). Capital intelectual: uma ferramenta inovadora na busca por vantagens competitivas DOI: 10.5773/rai. v9i4. 778. RAI: revista de administração e inovação, 9 (4), 96-120.

Hair, J. F. Jr., Babin, B., Money, A. H., & Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Hair, J. F. Jr., Hult, G. T. M., Ringle, C., & Sarstedt, M. (2013). A primer on partial least squares structural equation modeling (PLS-SEM). SAGE Publications, Incorporated.

Hair, J. F. Jr., Ringle, C. M., & Sarstedt, M. (2011). PLS-SEM: Indeed a silver bullet. The Journal of Marketing Theory and Practice, 19 (2), 139-152.

Henseler, J., & Sarstedt, M. (2013). Goodness-of-fit indices for partial least squares path modeling. Computational Statistics, 28 (2), 565-580.

Henseler, J., Ringle, C., & Sinkovics, R. (2009). The use of partial least squares path modeling in international marketing. Advances in International Marketing (AIM), 20, 277-320.

Hitt, M., Ireland, R. D., & Hoskisson, R. E. (2008). Administração estratégica. Rio de Janeiro: Pioneira Thomsom Learning.

Ienciu, N. M., & Matis, D. (2011). A theoretical framework of intellectual capital. International. Journal of Business Research, 11 (2).

Lane, P. J., Koka, B. R., & Pathak, S. (2006). The reification of absorptive capacity: a critical review and rejuvenation of the construct. Academy of Management Review, 31 (4), 833-863.

Liu, C. L. E. (2012). An investigation of relationship learning in cross-border buyer-supplier relationships: the role of trust. International business review, 21 (3), 311-327.

Machado, R. E., & Fracasso, E. M. (2012). A Influência dos Fatores Internos na Capacidade Absortiva e na Inovação: Proposta de um Framework. Artigo apresentado no Simpósio da Gestão da Inovação Tecnológica, 27., Salvador: Anpad.

Malek, J., & Breggar, M. (2001). The new R&D Paradigm. Pharmaceutical Executive, 21 (2), 78-86.

Malhotra, N. (2012). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 6. ed. Porto Alegre: Bookman.

Maroco, J. (2007). Análise estatística com a utilização do SPSS. 3. ed. Lisboa: Silabo.

Mateos-Aparicio, G. (2011). Partial least squares (PLS) methods: Origins, evolution, and application to social sciences. Communications in Statistics-Theory and Methods, 40 (13), 2305-2317.

Murovec, N., & Prodan, I. (2009). Absorptive capacity, its determinants, and influence on innovation output: Cross-cultural validation of the structural model. Technovation, 29 (12), 859-872.

Nodari, F. (2013). A relação entre o compartilhamento de conhecimento e o desempenho organizacional, mediada pela capacidade absortiva. 144 f. Dissertação de Mestrado em Administração não publicada, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Nunnally, J. C., & Bernstein, I. H. (1994). Psychometric theory. New York: MGraw-Hill.

Rogers, E. M. (1962). Diffusion of Innovations. New York: Free Press.

Santos, D. F. L., Basso, L. F. C., & Kimura, H. (2012). A estrutura da capacidade de inovar das empresas brasileiras: uma proposta de construto. Revista de Administração e Inovação, 9 (3), 103-128.

Schumpeter, J. A. (1997). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Tradução M. S. Possas. São Paulo: Nova cultural. (Obra original publicada em 1934).

Stewart, T. A. (1998). Capital Intelectual. A Nova Vantagem Competitiva das Empresas. Rio de Janeiro: Ed. Campus.

Stoeckicht, I. P. (2012). Gestão estratégica do capital intelectual orientado à inovação em empreendimentos de engenharia civil. Tese de Doutoramento em Tecnologia da Construção, Universidade Federal Fluminense, São Paulo.

Subramaniam, M., & Youndt, M. A. (2005). The influence of intellectual capital on the types of Innovative capabilities. Academy of Management Journal, 48 (3), 450-463.

Sveiby, K. E. (1989). The invisible balance sheet. Stockholm: Affarfgarblen.

Sveiby, K. E. (1997). The new organizational wealth: managing and measuring knowledge-based assets. Berrett-Koehler Publishers, San Francisco.

Tabachnick, B., & Fidell, L. (2001). Using multivariate statistics. 4. ed. Boston: Allyn and Bacon.

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (1997). Managing Innovation: integrating technological, market and organizational change. London: John Wiley & Sons Ltda.

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (2005). Gestão da inovação. Integração de mudanças Tecnológicas, de mercado e organizacionais. Lisboa: Monitor.

Tidd, J., Bessant, J., & Pavitt, K. (2008). Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman.

Utterback, J. M. (1971). The process of technological innovation within the firm. Academy of Management Journal, 14 (1), 75-88.

Wang, C. L., & Ahmed, P. K. (2007). Dynamic capabilities: A review and research. International Journal of Management Reviews, 9, 31-51.

Wegner, D., & Maehler, A. E. (2010). Capital social e capacidade absortiva: influências no desempenho de empresas participantes de redes interorganizacionais. Artigo apresentado no VI Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD. ENEO 2010, Florianópolis, SC.

Zahra, S. A., & George, G. (2002). Absorptive capacity: A review, reconceptualization, and extension. Academy of Management Review, 27 (2), 185-203.

Zen, A. C., Dalmoro, M., Fensterseifer, J. E., & Wegner, D. (2013). O Desenvolvimento de Recursos em Redes Interorganizacionais e o Processo de Internacionalização: O Caso Wines of Brasil. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 12(1), 107-130.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756