Fusão Como Estratégia de Crescimento de Redes de Cooperação Empresarial: Um Estudo de Caso em uma Rede de Farmácias

Wesley Braga Soares, Douglas Wegner, Pietro Cunha Dolci

Abstract


Este artigo teve como objetivo analisar as motivações, o processo e os resultados de uma estratégia de fusão estabelecida por três redes de cooperação empresarial. A pesquisa consistiu em um estudo de caso único, de caráter exploratório, com uma rede do segmento de varejo de medicamentos, formada a partir da fusão de três redes, no estado do Rio Grande do Sul. A coleta de dados ocorreu por meio de seis entrevistas em profundidade, realizadas com atores diretamente envolvidos no processo. A principal motivação para a adoção desta estratégia foi o aumento da competitividade no setor e a necessidade de ampliar ganhos de escala na negociação com fornecedores. Os resultados revelam ainda que as redes envolvidas não tinham a dimensão exata dos benefícios que poderiam ser alcançados, sendo estes superiores à motivação inicial de obter maior poder de mercado. Também se verificou que não houve uma estratégia definida para a formação da nova rede, sendo a fusão consolidada por ações de aproximação entre as redes.


Keywords


Redes empresariais; redes de pequenas empresas; fusões; relações interorganizacionais.

References


Ahuja, G. (2000). Collaboration networks, structural holes, and innovation: A longitudinal study. Administrative Science Quarterly, 45(3): 425-455.

Balestrin, A. & Arbage, A. P. (2007). A perspectiva dos custos de transação na formação de redes de cooperação. RAE-eletrônica, 6(1): 1-25.

Balestrin, A. &Vargas, L. (2004). A Dimensão estratégica das redes horizontais de PMEs: teorizações e evidências. Revista de Administração Contemporânea, 45: 203-227.

Balestrin, A. & Verschoore, J. (2008). Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na nova economia. Porto Alegre: Bookman.

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: LDA.

Barney, J. & Hesterly, W. (2008). Administração estratégica e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Brass, D., Galaskiewicz, J., Greve, H. & Tsai, W. (2004). Taking stock of networks and organizations: A multilevel perspective. Academy of Management Journal, 47(6): 795-817.

Burger, A. Avaliação de empresas. In: Roth, A. & Antonioni, A. (2013). Alianças empresariais: estratégias para aumento da competitividade das empresas do Setor de TI. Campinas: Softex, 69-83.

Camargos, M. & Barbosa, F. (2003). Fusões, aquisições e takeovers: um levantamento teórico dos motivos, hipóteses testáveis e evidências empíricas. Caderno de Pesquisas em Administração, 10(2): 17-38.

Castells, M. (1999). A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra.

Dyer, J. H. & Singh, H. (1998). The relational view: Cooperative strategy and sources of interorganizational competitive advantage. Academy of management review, 23(4): 660-679.

Ferrigolo, R. (2013). Planejamento estratégico. In: Roth, A. & Antonioni, A. Alianças empresariais: estratégias para aumento da competitividade das empresas do Setor de TI. Campinas: Softex, 93-103.

Frohlich, H. (2003). Mitgliederintegration, Mitgliederkommunikation und Datenvernetzung. In: Wieselhuber (Ed.). Erfolg im Handel: Praxis des Kooperationsmanage-ments. Frankfurt am Main: Deutscher Fachverlag.

Gil, A. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Godoi, C., Mello, R. & Silva, A. (2006). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva.

Gomes-Casseres, B. (1994). Group versus Group: how alliance networks compete. Harvard: Business Review, 62-74.

Groβ, W. (2003). Strategische Entwicklungsrichtungen für Verbundgruppen des Handels. In: Wieselhuber (Ed.).Erfolg im Handel: Praxis des Kooperationsmanagements. Frankfurt am Main: Deutscher Fachverlag.

Hitt, M., Ireland, D. & Hoskisson, E. (2002). Administração estratégica. São Paulo: Thomson.

Latorre, M. (2013). Pesquisa, seleção e negociação inicial com empresas candidatas para a aliança empresarial. In: Roth, A. & Antonioni, A. Alianças empresariais: estratégias para aumento da competitividade das empresas do Setor de TI. Campinas: Softex, 55-67.

Latorre, M. (2013). Plano de integração de empresas. In: Roth, A. & Antonioni, A. Alianças empresariais: estratégias para aumento da competitividade das empresas do Setor de TI. Campinas: Softex, 105-121.

Lazzarini, G. (2007). Mudar tudo para não mudar nada: análise da dinâmica de redes de proprietários no Brasil como “mundos pequenos”. Revista de Administração de Empresas. RAE Eletrônica, 7(3): 1-25.

Leon, M. (1998). Uma análise de redes de cooperação das pequenas e médias empresas do setor das telecomunicações. Dissertação (Engenharia de Produção da Escola Politécnica – Mestrado) – Universidade de São Paulo: São Paulo.

Mañas, A. & Pacanhan, M. (2004). Alianças estratégicas e redes associativistas como fonte de vantagem competitiva no varejo de material de construção. Revista Brasileira de Gestão de Negócios. São Paulo, 6(14): 14-33.

Marconi, M. & Lakatos, E. (2003). Fundamentos da metodologia científica. São Paulo: Atlas.

Mascarenhas, S. (2012). Metodologia científica. São Paulo: Pearson Education Brasil.

Mintzberg, H., Lampel, J., Quinn, J. & Ghoshal, S. (2006). O processo da estratégia: conceitos, contextos e casos. Porto Alegre: Bookman.

Olave, L. & Amato, A. (2001). Redes de cooperação produtiva: uma estratégia de competitividade para pequenas e médias empresas. Gestão e Produção, 8(3): 289-303.

Oliveira, M. & Gonçalves, C. (2011). Estratégia cooperativa em redes organizacionais: um estudo em polo turístico de Minas Gerais. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 10(2): 34-57.

Oliver, C. (1990). Determinants of interorganizational relationships: Integration and future directions. Academy of Management Review, 15(2): 241-265.

Olson, M. (1999). A lógica da ação coletiva. São Paulo: Edusp.

Pereira, B. & Pedrozo, E. (2004). O outro lado da cooperação: uma análise dos problemas na gestão das redes interorganizacionais. In: Verschoore, J. Redes de cooperação: uma nova organização de pequenas e médias empresas no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: FEE 69-88.

Pfeffer, J & Salancik, G. R. (2003). The external control of organizations: A resource dependence perspective. Stanford University Press.

Porter, M. (1996). Estratégia competitiva: técnicas para análise da indústria e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus.

Provan, K. & Kenis, P. (2007). Modes of network governance: Structure, management and effectiveness. Journal of Public Administration Research and Theory, 18(2): 229-252.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 3ª edição.

Santos, D. D. dos & Teixeira, R. M. (2005). Redes interorganizacionais de PMEs: fatores de cooperação e aprendizado. In: EGEPE – Encontro de Estudos Sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas. Anais. Curitiba: 1289-1300.

Sebrae. (2012) Central de negócios: empresas unidas se tornam mais competitivas. Disponível em . Acesso em: 27 mar. 2014.

Sebrae. (2012) Mapeamento das centrais e redes de negócios. Disponível em . Acesso em: 15 abr. 2014.

Tálamo, J. R. & Carvalho, M. M. C. (2010). Redes de cooperação com foco em inovação: um estudo exploratório. Gestão da Produção. 17(4): 747-760.

Todeva, E. (2006). Business networks: strategy and structure. London: Toutledge.

Toigo, T. & Alba, G. R. (2010). Programa Redes de Cooperação do estado do Rio Grande do Sul: Perfil das Redes de Empresas acompanhadas pela Universidade de Caxias do Sul. XIII Semead – Seminários em Administração. Anais. São Paulo: Edusp.

Verschoore, J. (2004). Redes de cooperação: uma nova organização de pequenas e médias empresas no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: FEE.

Verschoore, J. & Balestrin, A. (2008). Ganhos competitivos das empresas em redes de cooperação. Revista de Administração da Universidade de São Paulo Eletrônica (RAUSP-e), 1(1): 1-21.

Vida Farmácias. (2013-2014) Desenvolvido pela Vida Farmácias. Apresenta informações gerais sobre a instituição. Disponível em . Acessado em 18 abr, 2014.

Wegner, D., Alievi, R. M. & Begnis, H. S. M. (2015). The life cycle of small-firm networks: An evaluation of Brazilian business networks. BAR. Brazilian Administration Review, 12(1): 39-62.

Wegner, D., & Padula, A. D. (2010). Tendências da cooperação em redes horizontais de empresas: o exemplo das redes varejistas na Alemanha. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 45(3).

Wegner, D. & Padula, A. (2011). Estratégias de crescimento e a governança de redes horizontais de empresas: o caso da maior rede cooperativa de varejo de alimentos na Alemanha. Revista de Ciências da Administração, 13(30): 220-248.

Wegner, D. & Padula, A. (2010). Tendência da cooperação em redes horizontais de empresas: O exemplo das redes varejistas na Alemanha. Revista de Administração da USP, 45(3): 221-237.

Wegner, D. & Zonatto, P. (2013). Redes e relações interorganizacionais: modelos organizacionais baseados na colaboração. In: Faccin, K., Avila, R. & Guimarães, J. Relações de trabalho: desafios da educação. Caxias do Sul, FSG: 262-287.

Wegner, D., Wittmann, M. & Dotto, D. (2006). Redes de empresas no Rio Grande do Sul: uma análise de resultados competitivos e fatores de desenvolvimento. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 4(1): 74-90.

Wellenbeck, M. (2001). Zentralregulierung der Nord-West-Ring- Gruppe. In: Zentes, J. & Swoboda, B. (Ed.). Perspektiven der Zentralregulierung. Frankfurt am Main: Dt. Fachverlag.

Williamson, O. E. (1975). Markets and hierarchies: Analysis and antitrust implications. New York, NY: Free Press.

Xavier, J., Chagas, R., Santos, S., Romero, C. & Carneiro, M. (2010). Proposta de modelo para avaliação da contribuição de centrais de negócio para a empresa participante: o caso da central de negócio “rede âncora de autopeças”. Revista de Negócios, 15(4): 113-136.

Yin, R. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Zancan, C., Santos, P., Costa, A. & Cruz, N. (2013). Condicionantes de consolidação de redes de cooperação interorganizacional: um estudo de caso sobre o Rio Grande do Sul. Revista Administração Pública, 47(3): 647-669.

Williamson, O. E. (2005). The economics of governance. The American Economic Review, 95(2): 1-18.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional