Merger as a growth strategy of business networks: a case study of a drugstore network

Wesley Braga Soares, Douglas Wegner, Pietro Cunha Dolci

Abstract


This article aims to analyze the motivations, the process and the results of a merger strategy established by three business networks. The research consisted in an exploratory single case study. It was analyzed a business network composed by drugstores, formed from the merger of three business networks in the state of Rio Grande do Sul. Data collection occurred through six in-depth interviews conducted with actors directly involved. The main motivation for the adoption of this strategy was the increased competition in the sector and the need to expand economies of scale in negotiating with suppliers. The results also reveal that the networks involved did not have the exact notion of the benefits that could be achieved, which are higher than the initial motivation to get increased market power. It was also found that there was no defined strategy for the formation of the new business network. The merger was consolidated by actions of approach among the networks. The research contributes to the understanding of mergers among networks. From a theoretical point of view, the study describes the merger process; the managerial contribution consists in the presentation of steps for the implementation of new mergers.

Keywords


Redes empresariais; redes de pequenas empresas; fusões; relações interorganizacionais.

References


Ahuja, G. (2000). Collaboration networks, structural holes, and innovation: A longitudinal study. Administrative Science Quarterly, 45(3): 425-455.

Balestrin, A. & Arbage, A. P. (2007). A perspectiva dos custos de transação na formação de redes de cooperação. RAE-eletrônica, 6(1): 1-25.

Balestrin, A. &Vargas, L. (2004). A Dimensão estratégica das redes horizontais de PMEs: teorizações e evidências. Revista de Administração Contemporânea, 45: 203-227.

Balestrin, A. & Verschoore, J. (2008). Redes de cooperação empresarial: estratégias de gestão na nova economia. Porto Alegre: Bookman.

Bardin, L. (1977). Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: LDA.

Barney, J. & Hesterly, W. (2008). Administração estratégica e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Brass, D., Galaskiewicz, J., Greve, H. & Tsai, W. (2004). Taking stock of networks and organizations: A multilevel perspective. Academy of Management Journal, 47(6): 795-817.

Burger, A. Avaliação de empresas. In: Roth, A. & Antonioni, A. (2013). Alianças empresariais: estratégias para aumento da competitividade das empresas do Setor de TI. Campinas: Softex, 69-83.

Camargos, M. & Barbosa, F. (2003). Fusões, aquisições e takeovers: um levantamento teórico dos motivos, hipóteses testáveis e evidências empíricas. Caderno de Pesquisas em Administração, 10(2): 17-38.

Castells, M. (1999). A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra.

Dyer, J. H. & Singh, H. (1998). The relational view: Cooperative strategy and sources of interorganizational competitive advantage. Academy of management review, 23(4): 660-679.

Ferrigolo, R. (2013). Planejamento estratégico. In: Roth, A. & Antonioni, A. Alianças empresariais: estratégias para aumento da competitividade das empresas do Setor de TI. Campinas: Softex, 93-103.

Frohlich, H. (2003). Mitgliederintegration, Mitgliederkommunikation und Datenvernetzung. In: Wieselhuber (Ed.). Erfolg im Handel: Praxis des Kooperationsmanage-ments. Frankfurt am Main: Deutscher Fachverlag.

Gil, A. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Godoi, C., Mello, R. & Silva, A. (2006). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva.

Gomes-Casseres, B. (1994). Group versus Group: how alliance networks compete. Harvard: Business Review, 62-74.

Groβ, W. (2003). Strategische Entwicklungsrichtungen für Verbundgruppen des Handels. In: Wieselhuber (Ed.).Erfolg im Handel: Praxis des Kooperationsmanagements. Frankfurt am Main: Deutscher Fachverlag.

Hitt, M., Ireland, D. & Hoskisson, E. (2002). Administração estratégica. São Paulo: Thomson.

Latorre, M. (2013). Pesquisa, seleção e negociação inicial com empresas candidatas para a aliança empresarial. In: Roth, A. & Antonioni, A. Alianças empresariais: estratégias para aumento da competitividade das empresas do Setor de TI. Campinas: Softex, 55-67.

Latorre, M. (2013). Plano de integração de empresas. In: Roth, A. & Antonioni, A. Alianças empresariais: estratégias para aumento da competitividade das empresas do Setor de TI. Campinas: Softex, 105-121.

Lazzarini, G. (2007). Mudar tudo para não mudar nada: análise da dinâmica de redes de proprietários no Brasil como “mundos pequenos”. Revista de Administração de Empresas. RAE Eletrônica, 7(3): 1-25.

Leon, M. (1998). Uma análise de redes de cooperação das pequenas e médias empresas do setor das telecomunicações. Dissertação (Engenharia de Produção da Escola Politécnica – Mestrado) – Universidade de São Paulo: São Paulo.

Mañas, A. & Pacanhan, M. (2004). Alianças estratégicas e redes associativistas como fonte de vantagem competitiva no varejo de material de construção. Revista Brasileira de Gestão de Negócios. São Paulo, 6(14): 14-33.

Marconi, M. & Lakatos, E. (2003). Fundamentos da metodologia científica. São Paulo: Atlas.

Mascarenhas, S. (2012). Metodologia científica. São Paulo: Pearson Education Brasil.

Mintzberg, H., Lampel, J., Quinn, J. & Ghoshal, S. (2006). O processo da estratégia: conceitos, contextos e casos. Porto Alegre: Bookman.

Olave, L. & Amato, A. (2001). Redes de cooperação produtiva: uma estratégia de competitividade para pequenas e médias empresas. Gestão e Produção, 8(3): 289-303.

Oliveira, M. & Gonçalves, C. (2011). Estratégia cooperativa em redes organizacionais: um estudo em polo turístico de Minas Gerais. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 10(2): 34-57.

Oliver, C. (1990). Determinants of interorganizational relationships: Integration and future directions. Academy of Management Review, 15(2): 241-265.

Olson, M. (1999). A lógica da ação coletiva. São Paulo: Edusp.

Pereira, B. & Pedrozo, E. (2004). O outro lado da cooperação: uma análise dos problemas na gestão das redes interorganizacionais. In: Verschoore, J. Redes de cooperação: uma nova organização de pequenas e médias empresas no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: FEE 69-88.

Pfeffer, J & Salancik, G. R. (2003). The external control of organizations: A resource dependence perspective. Stanford University Press.

Porter, M. (1996). Estratégia competitiva: técnicas para análise da indústria e da concorrência. Rio de Janeiro: Campus.

Provan, K. & Kenis, P. (2007). Modes of network governance: Structure, management and effectiveness. Journal of Public Administration Research and Theory, 18(2): 229-252.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 3ª edição.

Santos, D. D. dos & Teixeira, R. M. (2005). Redes interorganizacionais de PMEs: fatores de cooperação e aprendizado. In: EGEPE – Encontro de Estudos Sobre Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas. Anais. Curitiba: 1289-1300.

Sebrae. (2012) Central de negócios: empresas unidas se tornam mais competitivas. Disponível em . Acesso em: 27 mar. 2014.

Sebrae. (2012) Mapeamento das centrais e redes de negócios. Disponível em . Acesso em: 15 abr. 2014.

Tálamo, J. R. & Carvalho, M. M. C. (2010). Redes de cooperação com foco em inovação: um estudo exploratório. Gestão da Produção. 17(4): 747-760.

Todeva, E. (2006). Business networks: strategy and structure. London: Toutledge.

Toigo, T. & Alba, G. R. (2010). Programa Redes de Cooperação do estado do Rio Grande do Sul: Perfil das Redes de Empresas acompanhadas pela Universidade de Caxias do Sul. XIII Semead – Seminários em Administração. Anais. São Paulo: Edusp.

Verschoore, J. (2004). Redes de cooperação: uma nova organização de pequenas e médias empresas no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: FEE.

Verschoore, J. & Balestrin, A. (2008). Ganhos competitivos das empresas em redes de cooperação. Revista de Administração da Universidade de São Paulo Eletrônica (RAUSP-e), 1(1): 1-21.

Vida Farmácias. (2013-2014) Desenvolvido pela Vida Farmácias. Apresenta informações gerais sobre a instituição. Disponível em . Acessado em 18 abr, 2014.

Wegner, D., Alievi, R. M. & Begnis, H. S. M. (2015). The life cycle of small-firm networks: An evaluation of Brazilian business networks. BAR. Brazilian Administration Review, 12(1): 39-62.

Wegner, D., & Padula, A. D. (2010). Tendências da cooperação em redes horizontais de empresas: o exemplo das redes varejistas na Alemanha. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 45(3).

Wegner, D. & Padula, A. (2011). Estratégias de crescimento e a governança de redes horizontais de empresas: o caso da maior rede cooperativa de varejo de alimentos na Alemanha. Revista de Ciências da Administração, 13(30): 220-248.

Wegner, D. & Padula, A. (2010). Tendência da cooperação em redes horizontais de empresas: O exemplo das redes varejistas na Alemanha. Revista de Administração da USP, 45(3): 221-237.

Wegner, D. & Zonatto, P. (2013). Redes e relações interorganizacionais: modelos organizacionais baseados na colaboração. In: Faccin, K., Avila, R. & Guimarães, J. Relações de trabalho: desafios da educação. Caxias do Sul, FSG: 262-287.

Wegner, D., Wittmann, M. & Dotto, D. (2006). Redes de empresas no Rio Grande do Sul: uma análise de resultados competitivos e fatores de desenvolvimento. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 4(1): 74-90.

Wellenbeck, M. (2001). Zentralregulierung der Nord-West-Ring- Gruppe. In: Zentes, J. & Swoboda, B. (Ed.). Perspektiven der Zentralregulierung. Frankfurt am Main: Dt. Fachverlag.

Williamson, O. E. (1975). Markets and hierarchies: Analysis and antitrust implications. New York, NY: Free Press.

Xavier, J., Chagas, R., Santos, S., Romero, C. & Carneiro, M. (2010). Proposta de modelo para avaliação da contribuição de centrais de negócio para a empresa participante: o caso da central de negócio “rede âncora de autopeças”. Revista de Negócios, 15(4): 113-136.

Yin, R. (2005). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Zancan, C., Santos, P., Costa, A. & Cruz, N. (2013). Condicionantes de consolidação de redes de cooperação interorganizacional: um estudo de caso sobre o Rio Grande do Sul. Revista Administração Pública, 47(3): 647-669.

Williamson, O. E. (2005). The economics of governance. The American Economic Review, 95(2): 1-18.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional