Internacionalização de Periódicos Científicos Brasileiros: Estudo de Caso à luz da Teoria de Redes e da Teoria Institucional.

Felipe Mendes Borini, Jackeline Ferreira

Abstract


O artigo questiona sobre o desafio da internacionalização dos periódicos científicos brasileiros da área de administração. O objetivo do artigo é analisar como duas teorias, que na última década ganharam grande espaço para explicar a internacionalização de empresas, a saber a teoria das redes e institucional, ajudam a compreender a internacionalização dos periódicos, e como a análise do fenômeno da internacionalização dos periódicos levanta novas proposições para o processo de internacionalização quando analisado por essas duas perspectivas teóricas. A fundamentação teórica está embasada na teoria de redes, e no ambiente institucional. Por meio de uma metodologia de pesquisa qualitativa, buscou-se entender qual é a inserção da revista na rede e qual é a compreensão que o editor tem em relação ao ambiente institucional e como esse entendimento conduz ao processo de internacionalização. Percebe-se como resultado uma forte pressão do ambiente institucional do país de origem e uma baixa inserção dos periódicos nas redes. Os resultados levantam o desafio de uma política articulada das instituições dos países de origem e internacionalização dos periódicos. Isso edifica a importância de uma intersecção entre a teoria do ambiente institucional combinada com a teoria das redes de negócios para explicar o movimento de internacionalização de unidades de negócios, a saber, os periódicos acadêmicos.


Keywords


Periódicos Científicos; Internacionalização; Teoria Institucional; Teoria das Redes

References


Alisson, E. (2012) Revistas científicas brasileiras ainda têm baixo impacto internacional. Agência FAPESP [Portal]. Recuperado em 26 de dezembro de 2012, de http://agencia.fapesp.br/16332.

___________ (2013) Revistas científicas de países emergentes aumentam processo de internacionalização. Agência FAPESP [Portal]. Recuperado em 27 de dezembro de 2013, de http://agencia.fapesp.br/18142.

Balkundi, P.; Kilduff (2006) The ties that lead: A social network approach to leadership. The Leadership Quarterly, 17 (4), 419-439.

Bardin, L. (2002) Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bauer, M. W.; Aarts, A. (2002) A construção do corpus: um principio para a coleta de dados qualitativos. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Um manual prático. Petrópolis: Editora Vozes.

Berger, A. A. (2011) Media and communication research methods. An introduction to qualitative and quantitative approaches. California: Sage.

Berry, H.; Guillén, M. F.; Zhou, N. (2010) An institutional approach to cross national distance. Journal of International Business Studies, 41: 1460-1480.

Cavusgil, S. T.; Knight, G. A; Riesenberger, J. R. (2010) Negócios internacionais: estratégia, gestão e novas realidades. São Paulo: Pearson.

Contractor, J. F. (2013) “Punching above their weight” The sources of competitive advantage for emerging market multinationals. International Journal of Emerging Markets, 8 (4): 304-328.

Costa, T. et al. (2012) Bibliometria e a Avaliação da Produção Científica: indicadores e ferramentas. Artigo apresentado em ACTAS – Congresso Nacional de bibliotecários, arquivistas e documentalistas, Lisboa, Portugal.

Cuervo-Cazurra, A., Genc, E. M. (2011) Obligating, Pressuring, and Supporting Dimensions of the Environment and the Non-Market Advantages of Developing-Country Multinational Companies. Journal of Management Studies, 48 (2): 441-445.

Dias, C. G. S. (2006) Periódicos na comunicação científica: produção e difusão de periódicos e panorama dos veículos brasileiros da área de Comunicação na base Qualis. Dissertação de metrado, Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Dimaggio, P. J; Powell, W. W. (2005) A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. RAE – Revista de Administração de Empresas, 45 (2): 74-89.

Fiorin, J. L. (2007) Internacionalização da produção científica: a publicação de trabalhos de Ciências Humanas e Sociais em periódicos internacionais. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 4 (8): 263-281.

Franco, M. L. P. B. (2007) Análise do Conteúdo. Brasília: Liber Livro Editora Ltda.

Himura, H.; Carneiro, J.; Alperstedt; G. D.; Neto, A. C. (2014) O Processo de Internacionalização de Periódicos Nacionais. Rev. adm. contemp, 18 (6): 2-4. Recuperado em 03 de maio de 2015, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552014000600002&lng=en&nrm=iso.

Johanson, J.; Mattsson, L. (1988) Internationalization in industrial systems – a network approach. In HOOD, N. e VAHLNE, J. (ed.) Strategies in global competition, pp. 287-314, New York: Croom Helm.

Johanson, J.; Vahlne, J. E. (1977) The Internationalization Process of the Firm: A Model of Knowledge and Increasing Foreign Market Commitment. Journal of International Business Studies, 8 (1): 23-32.

_________ (2009) The Uppsala internationalization process model revisited: From liability of foreignness to liability of outsidership. Journal of International Business Studies, 40 (9): 1411-1431.

Kostova, T.; Zaheer S. (1999) Organizational Legitimacy under Conditions of Complexity: The Case of the Multinational Enterprise. The Academy of Management Review, 24 (1): 64-81.

Mattos, P. L. C. L. (2008) Nós e os índices – a propósito da pressão institucional por publicação. Pensata. RAE – Revista de Administração de Empresas, 48 (2): 144-149.

Mehra, A.; Dixon, A. ; Brass, D. J. ; Robertson B. (2006) The social network ties of group leaders : Implications for group performance and leader reputation. Organization Science, 17 (1), 64-79.

Meneghini, R. (2012) Publicação de periódicos nacionais de ciência em países emergentes. Educação em Revista, 28 (2): 435-432.

Nascimento, R. P.; Salvá, M. N. R. (2013) A política de avaliação da pós-graduação Stricto-Sensu e o Trabalho Docente: Rumo ao “Produtivismo Acadêmico? Artigo apresentado no IV Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, 2013, Brasília, Brasil.

Packer, A. L. (2011) Os periódicos brasileiros e a comunicação da pesquisa nacional. Revista USP, 89: 26-61.

Packer, A. L. (2015) A internacionalização dos periódicos foi tema central da IV Reunião Anual do SciELO. SciELO em Perspectiva. Recuperado em 03 de maio de 2015, de http://blog.scielo.org/blog/2014/12/16/a-internacionalizacao-dos-periodicos-foi-tema-central-da-iv-reuniao-anual-do-scielo/.

Regalardo, A. (2010) Brazilian Science: Riding a Gusher. Science, 330 (6009): 1306-1312. Recuperado em 01 de novembro de 2013, de http://www.sciencemag.org/content/330/6009/1306.summary.

Richardson, R. J. et al. (1999) Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Rosa, A. R. (2008) Nós e os índices – um outro olhar sobre a pressão institucional por publicação. Pensata. RAE – Revista de Administração de Empresas, 48 (2): 108-114.

Sandes-Guimarães, L. V. (2013) Gestão de periódicos científicos: um estudo com revistas da área de administração. Dissertação de mestrado, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

Salomon, R.; Wu, Z. (2012) Institutional distance and local isomorphism strategy. Journal of International Business Studies, 43 (4): 343-367.

Scott, W. R. (1995) Institutions and Organizations. Thousand Oaks, California: Sage.

Trzesniak, P. (2000) A concepção e a construção da revista científica, Apresentação no II Encontro de Editoração Científica e Cultural/IV Feira Pan-Amazônica do Livro, 2000, Belém, Brasil.

_________, Plata-Caviedes, T.; Córdoba-Salgado, O. A. (2012) Qualidade de Conteúdo, o Grande Desafio para os Editores Científicos. Revista Colombiana de Psicologia, 21 (1): 57-75.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional