Estrutura de Mercado e Estratégia: Um Estudo na Indústria Brasileira de Baterias Automotivas

Jaiane Aparecida Pereira, Sandra Mara Schiavi Bánkuti

Abstract


Dadas as configurações da indústria e os grupos estratégicos, diferentes estratégias são requeridas por parte das empresas para responder à estrutura de mercado. Especialmente ao se considerar oligopólios competitivos, muitos estudos focam nas grandes empresas do núcleo desses setores. Entende-se que a compreensão das estratégias das firmas que atuam às margens das grandes oligopolistas, ou seja, na “franja” desses mercados, também é relevante, pois a escolha estratégica e o desempenho das empresas na “franja” interferem na dinâmica de todo o setor. Com base no paradigma Estrutura-Conduta-Desempenho da Organização Industrial, o presente trabalho tem por objetivo revelar como as estratégias das firmas na “franja” estão alinhadas à estrutura de mercado de baterias automotivas para reposição. Para tanto, foi realizada pesquisa qualitativa descritiva, por meio de entrevistas semiestruturadas com diretores de quatro firmas fabricantes de baterias para reposição. Os resultados apontam para a importância da estrutura da indústria nesse mercado. Além da necessidade de estratégias não preço para dar suporte a concorrência por preço, típica de empresas na “franja” de oligopólios competitivos, observa-se uma combinação de diferentes estratégias, indicando grande complexidade na definição de estratégias. Assim, a concorrência por preço é suportada, em grande parte, por estratégias de não preço, tais como de inovação e de qualidade. Ademais, a regulação ambiental tem importante papel nas condições de base da oferta e na conduta das empresas, o que indica novas possibilidade de concorrência e desempenho nesse setor.

Keywords


Oligopólio competitivo; Mercado de baterias de reposição; Indústria de baterias

References


Anh, T. T., Binh, D. T. T., & Duong, N. V. (2014, June). The structure-conduct-performance paradigm revisited: an empirical analysis for Vietnamese firms. Proceedings of the VEAM: Vietnam Economists Annual Meeting, Ho Chi Minh City, Vietnam, 7.

Bain, J. S. (1959). Industrial organization, New York: John Wiley & Sons.

Beiral, P. R. S., Moraes, M. A. F. D., & Bacchi, M. R. P. (2013). Concentração e poder de mercado na distribuição de etanol combustível: análise sob a ótica da nova organização industrial empírica. Economia Aplicada, 17(2), pp. 251-274.

Cabral, L. M. B. (2000). Introduction to industrial organization. MIT Press.

Castro, B. H. R., Barros, D. C., & Veiga, S. G. (2013). Baterias automotivas: panorama da indústria no Brasil, as novas tecnologias e como os veículos elétricos podem transformar o mercado global. BNDES Setorial, mar. p. 443-496. Recuperado em 06 outubro, 2013 de http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/Publicacoes/Consulta_Expressa/Tipo/BNDES_Setorial/201303_11.html

Chen, Z. (2003). Dominant retailers and the countervailing-power hypothesis. RAND Journal of Economics, 34(4), pp. 612-625.

Costa, F., & Garcias, P. M. (2009). Concentração de mercado e desempenho das indústrias brasileiras de papel e celulose – recorrendo à modelagem de Fleuriet para analisar o paradigma ECD. RCO – Revista de Contabilidade e Organizações, 3(6), pp. 143-163.

Demel, A. R. M. (2014). Reestruturação petrolífera na Argentina: estudo comparativo com o Brasil. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (1994). Handbook of qualitative research. London: Sage.

ENBAT. (n.d). Encontro Nacional de Produtores de Baterias Chumbo-Ácido. LACTEC. Recuperado em 10 outubro, 2013 de http://sistemas.lactec.org.br/xivenbat/home.htm

Fagundes, J., & Pondé, J. L. (1998). Barreiras à Entrada e Defesa da Concorrência: Notas introdutórias, Cadernos de Estudo, Universidade Cândido Mendes.

Farina, E. M. M. Q. (1999). Competitividade e Coordenação de Sistemas Agroindustriais: um ensaio conceitual. Gestão e Produção, 6(3), pp. 147-161, dez.

Farina, E. M. M. Q. (2000). Oligopólio e política antitruste: desenvolvimentos recentes. FEA/USP, dez.

Farina, E. M. M. Q., Nunes, R., & Monteiro, G. F. A. (2005). Supermarkets and their impacts on the agrifood system of Brazil: the competition among retailers. Agribusiness, 21(2), pp. 133-147.

FENIBAT. (2015). Feira Nacional e Internacional de Baterias de Chumbo. FENIBAT. Recuperado em 09 julho, 2015 de http://www.fenibat.com/index.php

Fontana, A., & Frey, J. H. (1994). Interviewing: the art of science. In: Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (orgs.). Handbook of qualitative research. London: Sage.

Freeman, F. M., & Soete, L. (2008). A economia da inovação industrial. Campinas: Unicamp.

Goddard, J.; Tavakoli, M.; Wilson, J. (2005). Determinants of profitability in European manufacturing and services: evidence from a dynamic panel model. Applied Financial Ecnonomics, 17(18), pp. 1269-1282.

Hasenclever, L., & Kupfer, R. (2013). Introdução. In: Kupfer, D., & Hasenclever, L. (orgs.) Economia Industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. 2. ed., pp. xxi-xxix, Rio de Janeiro: Campus.

Hasenclever, L., & Torres, R. (2013). O modelo Estrutura, Conduta e Desempenho e seus desdobramentos. In: Kupfer, D., & Hasenclever, L. (orgs.) Economia Industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. 2. ed., pp. 41-51, Rio de Janeiro: Campus.

IAP. (n.d). Instituto Ambiental do Paraná. Missão e atribuições. Recuperado em 10 dezembro, 2013 de http://www.iap.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=348

IBAMA. (n.d). Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Controle de Resíduos. Recuperado em 10 dezembro, 2013 de https://www.ibama.gov.br/areas-tematicas-qa/controle-de-residuos

IBGE. (2015). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. CNAE 2.0. CNAE-Subclasses 2.2. Recuperado em 17 agosto, 2015 de https://cnae.ibge.gov.br/

IBGE/PIA-empresa. (2011). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Industrial - Empresa 2011. Recuperado em 06 dezembro, 2013 de http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/industria/pia/empresas/2011/defaultempresa.shtm

IBGE/PIA-produto. (2015). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Industrial - Produto. Abr.

IBGE/RAIS. (2015). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Comitê de Estatísticas Sociais. Abr.

INMETRO. (2012). Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia. Portaria nº 299, de 14 de junho de 2012. Recuperado em 10 dezembro, 2013 de http://www.inmetro.gov.br/

Jacquemin, A. (2000). Theories of Industrial Organisation and Competition Policy: what are the links? European Comission, Working paper.

Jacquemin, A., & Slade, M. E. C. (1996). Collusion and horizontal merger. In: Schmalensee, R. Willig, R. (Eds). Handbook of Industrial Organization. Amsterdam: Elsevier Science.

LACTEC. (n.d). Instituto de Tecnologia para Desenvolvimento. Recuperado em 10 dezembro, 2013 de http://www.lactec.org.br/pt/?page=instituto

Lipczynski, J., & Wilson, J. (2004). The economics of business strategy. Prentice Hall – Financial Times.

Lipczynski, J., Wilson, J., & Goddard, J. (2009). Industrial organization: competition, strategy, policy. 3. ed. Prentice Hall – Financial Times.

Losekann, L., & Gutierrez, M. (2013). Diferenciação de Produtos. In: Kupfer, D., & Hasenclever, L. (orgs.) Economia Industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. 2. ed., pp. 67-77, Rio de Janeiro: Campus.

Mason, E. S. (1939). Price and Production Policies of Large-Scale Enterprise. American

Economic Review, 29(1), pp. 61-74.

Mayring, P. (2000). Qualitative content analysis. FQS Forum: Qualitative Social Research, 1(2), art. 20, jun.

Mello, M. T. L. (2013). Defesa da Concorrência. In: Kupfer, D., & Hasenclever, L. (orgs.) Economia Industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. 2. ed., pp. 285-298, Rio de Janeiro: Campus.

Morvan, Y. (1991). Fondements d’Économie Industrielle. Paris: Economica.

Neves, M. F., & Conejero, M. A. (2010). Estratégias para a cana no Brasil. São Paulo: Atlas.

Porter, M. (1980). Competitive strategy: techniques for analyzing industries and

competitors. New York: The Free Press.

Porter, M. (1990). Vantagem Competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus.

Possas, M. L. (1987). Estruturas de mercado em oligopólio. 2. ed. São Paulo: Hucitec.

Rocha, F. R. (2013). Coordenação Oligopolista. In: Kupfer, D., & Hasenclever, L. (orgs.) Economia Industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. 2. ed., pp. 41-51, Rio de Janeiro: Campus.

Saes, M. S. M. (2009). Estratégias de diferenciação e apropriação de quase-renda na agricultura: a produção de pequena escala. São Paulo: Annablume, Fapesp.

Scherer, F. M, & Ross, D. (1990). Industrial Market Structure and Economic Performance. 3. ed. Houghton Mifflin.

Schmalensee, R. (1988). Industrial Economics: an overview. The Economic Journal, 98, pp. 643-681.

Short, J. C., McKenny, A. F., Ketchen, D. J., Snow, C. C., & Hult, G. T. M. (2015). An empirical examination of firm, industry, and temporal effects on corporate social performance. Business & Society, pp. 1-35.

Silva, C. L. (2001). Competitividade e estratégia empresarial: um estudo de caso da indústria automobilística brasileira na década de 1990. Revista FAE, 4(1), pp. 35-48.

Teixeira, R., Lacerda, D. P., Hexsel, A., & Castagno Junior, R. (2005). Fatores determinantes da competitividade na indústria de telecomunicações e repercussões para a estratégia. BASE – Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 2(1), pp. 15-26.

Triviños, A. N. S. (2010). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. Atlas: São Paulo.

Setiawan, M., Emvalomatis, G., & Lansink, A. O. (2013). Structure, conduct, and performance: evidence from the Indonesian food and beverages industry. Empirical Economics, 45(3), pp. 1149-1165.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756