Information and knowledge management in research and development projects – a case study

Maria Terezinha Angeloni, Rafael Zimmermann Homma, Luiz Afonso Pereira Athayde Filho, Aldo Cosentino

Abstract


This article aims to present the Information and Knowledge Management Plan, which aims to support the processes of creation, acquisition, sharing, storage, (re)use, protection and transfer of information and knowledge, proposed for a Research and Development Project for the sponsor enterprise/client - Celesc Distribution, company from the electricity sector in Santa Catarina and executed by the Institute of Studies and Energy Management – INERGE. The project is part of the R&D program of the National Electric Energy Agency - ANEEL in accordance with the law number no 9.991/2000. The theoretical reference is based on the areas of Project Management and Knowledge Management. Methodologically it is characterized as an interorganizational, interproject research of experimental development. The results are not effective yet, due to the little time of implementation of the project. However it may be inferred that the systematization of the information and knowledge from a single environment, in addition to giving support to the development of the activities of the project teams, will support the processes of information and knowledge management and, essentially, the transfer of the information and knowledge from the executor company and its partners to the sponsor/client company.

Keywords


gestão do conhecimento; gestão de projetos; gestão do conhecimento em projetos.

References


ANEEL. Agência Nacional de Energia Elétrica (Brasil) (2012) - Manual do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica. Agência Nacional de Energia Elétrica. Brasília: ANEEL. Recuperado em 03 set. 2015 de: http://www.aneel.gov.br/aplicacoes/leitura_arquivo/default.cfm?idaplicacao=56.

Blog edutrevizan. Recuperado em 16 ago. 2015 de: https://edutrevizan.wordpress.com/2013/09/25/10-softwares-interessantes-para-gestao-de-projetos/.

Carneval, P. P. O., Nascimento, W. R., & Pereira, Y. A. H. (2005). Gestão do conhecimento aplicada ao gerenciamento de projetos. Trabalho de Conclusão de Curso para a obtenção de Grau de Especialista em Gerenciamento de Projetos. MBA em Gerenciamento de Projetos. Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Choo, C. W. (2006). A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar conhecimento, construir conhecimento e tomar decisões (2. ed.). São Paulo, Senac São Paulo.

Davenport, T. H., & Prusak, L. (1998) Conhecimento Empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro, Campus.

Dhaliwal, J., & Benbasat, I. (1996). The use and effects of knowledge-based system explanations: theoretical foundations and a framework for empirical evaluation. Information Systems Research, 7, pp. 243-361.

George, J. F., Iacono, S., & Kling, R. (1995). Learning in context: extensively computerized work groups as communities of practice. Accounting, Management and Information Techgnologies, 5, pp.185-202.

Faraco, R. A., Mussi, C. C., Angeloni, M.T. (2014). Social Networks and Knowledge Transfer in Technological Park Companies in Brazil. Journal of Technology Management & Innovation, v. 9, p. 172-186.

Jamil, G. L. (2005). Gestão de informação e do conhecimento em empresas brasileiras: estudo de múltiplos casos. Tese. Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. Universidade Federal de Minas Gerais.

BRASIL. Lei 11.196/05 – Lei do Bem, de 21 de novembro de 2005. Trata da concessão de incentivos fiscais às pessoas jurídicas. Recuperado em 17 nov. 2014 de:

Malhotra, Y. (1993). Role of information technology in managing organizational change and organizational interdependence. New York, NY, Global Risk Management Network, LLC Available at: www.brint.com/papers/change/.

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (1997). Criação do Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro, Campus.

OECD, OCDE e FINEP (2015). Organização para Cooperação e Desenvolvimento, Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, Financiadora de Estudos e Projetos (2005) – Manual de Oslo – Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação. Financiadora de Estudos e Projetos. Rio de Janeiro : ART/FINEP. Recuperado em 14 set. 2015 de: http://download.finep.gov.br/imprensa/manual_de_oslo.pdf.

OCDE. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (2013) - Manual de Frascati – Metodologia proposta para definir Inquéritos sobre Investigação e Desenvolvimento Experimental. Coimbra : F-Iniciativas. Recuperado em 14 set. 2015 de: http://www.mct.gov.br/upd_blob/0225/225728.pdf.

Pereira, A. P., Caciglieri Junior, O. (2015). MOP&D: Modelo de desenvolvimento integrado de produto orientado aos projetos de P&D do setor elétrico brasileiro. Espaço Energia. Out. Recuperado em 29 de dez. 2015 de: http://www.espacoenergia.com.br/edicoes/23/EE023-09-12.pdf.Pinheiro, A. A., Siani, A. C.; Guilhermino, J. F., Henriques, M. G. M. O., Quental, C. M., & Pizarro, A. P. (2006). Metodologia para gerenciar projetos de pesquisa e desenvolvimento com foco em produtos: uma proposta. Revista de Administração Pública, 40(3), may-jun.

Prado, D. (2009). Gerenciamento de portfólios, programas e projetos nas organizações. Nova Lima, INDG Tecnologia e Serviços.

Plano de Gerenciamento do Projeto (2014). Projeto desenvolvimento de metodologia e sistema para tratamento de imagem e reconhecimento de padrões para inspeção autônoma de linhas aéreas de transmissão e de distribuição. ANEEL / INERGE.

PRJ. (2014) Arquivo referente ao formulário de Projeto desenvolvimento de metodologia e sistema para tratamento de imagem e reconhecimento de padrões para inspeção autônoma de linhas aéreas de transmissão e de distribuição. ANEEL / INERGE.

Project Management Institute (2013). Um Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK®) (5. ed.). Newtown Square, Pennsylvania, USA, PMI.

Shinoda, A. C. M. (2012). Gestão do conhecimento em projetos: um estudo sobre conhecimentos relevantes, fatores influenciadores e práticas em organizações projetizadas. Dissertação (Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Smit, J., & Talamo, M. F. (2007). Da impropriedade acadêmica de usar o termo gestão do conhecimento na opinião dos programas de Ciências da Informação. Revista de Ciência da Informação, 3 (5), out.

Stenmark, D. (2001). Leveraging tacit organizational knowledge. Journal of Management Information Systems, 17, p. 9-24, 2001.

Vargas, R. V. (2006). Gerenciamento de projetos: estabelecendo diferenciais competitivos (6. ed.). Rio de Janeiro, Brasport.

Vicente, L. (s. d.). Como escolher um software de gerenciamento de projetos? Recuperado em 16 ago. 2015 de: http://blog.luz.vc/como-fazer/como-escolher-um-software-de-gestao-de-projetos/.

Vieira, M. F. (2008). Guia Para Implementação de Ferramentas de Gestão de Projetos. Revista Mundo PM - Project Management, 7 jan.

Von Krogh, G., Ichijo, K., & Nonaka, I. (2001). Facilitando a criação de conhecimento: Reinventando a empresa com o poder de inovação contínua. Rio de Janeiro, Campus.

Yin, R. K. (2010). Estudo de Caso - Planejamento e Métodos– (4. ed.). São Paulo, Bookman.

Zhao, J. L., Kumar, A., & Stohr, E. A. (2001). Workflow-centric information distribution through e-mail. Journal of Management Information Systems, 17, pp. 45-72.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional