Strategic behavior measurement from the organizational culture: a study in Shopping Centers

Miler Franco Danjour, Bruno Campelo Medeiros, Miguel Eduardo Moreno Añez, Afrânio Galdino de Araújo

Abstract


This research presents as general purpose measuring strategic behavior from organizational culture styles, in the light of Peace and Mendes (2001) and Miles and Snow (2003). Regarding the methodological procedures, the present study is classified as type quantitative nature, explanatory conducted through a survey analytics. The sample used was probabilistic, simple random, composed of 286 tenants managers of 6 shopping centers in the city of Natal. Through multiple regression analysis, were identified in the organizations studied the prevalence of cultural style entrepreneur. In relation to strategic behavior, identified a profile transiting between the analytic style and prospector. These results indicated a strong influence of the cultural style in the definition of the strategic positioning of organizations. Conclusively, the research confirms the assumptions of the theory when you point to a need to promote a strategic positioning alignment of organization with your organizational culture.

Keywords


Comportamento Estratégico; Cultura Organizacional; Shopping Centers.

References


Abrasce - Associação brasileira de shopping centers (2014). Manual de estratégia. Disponível em: . Acesso em: 15 de julho de 2014.

Afonsêca, S. M., Teodósio, A. D., & Paixão, B. O. (2011). Paradoxos e dilemas na construção de estratégias: possibilidades interpretativas a partir da noção de papéis nas organizações. Revista Gestão & Tecnologia, 11 (2): 1-14.

Almeida, L. F., Irber, F. M. V. F., & Souza, L. J. S. S. (2013). O papel da cultura organizacional: Métodos de avaliação da influência da cultura de inovação nas organizações. Artigo apresentado no XXXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP). Salvador (BA), Brasil.

Bott, M. G., Silva, P. A., & Sassaki, A. H (2006). Uma abordagem estratégica baseada na tipologia de Miles e Snow. Artigo apresentado no II Etic - Encontro de Iniciação Científica. Presidente Prudente, Brasil.

Cameron, K. S. & Quinn, R. E. (2006). Diagnosing and changing organizational culture. San Francisco: Jossey-Bass.

Carvalho, C. E. & Ronchi, C. C. (2005). Cultura organizacional: teoria e pesquisa. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

Castro, J. M., & Silva, C. L. O. (2012). A Influência da Cultura Organizacional e da Orientação Estratégica na Gestão de Recursos Humanos: um estudo de caso. Revista de Administração da Unimep-Unimep Business Journal, 10(1), 1-28.

Collis, J. & Hussey, R. (2005). Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação, 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

Conant, J. S., Mokwa, M. P., & Varadarajan, P. R. (1990). Strategic types, distinctive marketing competencies and organizational performance: a multiple measures-based study. Strategic Management Journal, 11 (5): 365-383.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto, 3. ed.. Porto Alegre: Artmed.

Daft, R. L. Organizações: teorias e projetos (2002). São Paulo: Thomson.

Degenhardt, V. W (2006). Estratégia competitiva e cultura organizacional: um estudo exploratório do estágio atual da indústria brasileira de equipamentos mecânicos pesados. Dissertação de mestrado em Administração. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Dutra, J. S., Fleury, M. T. L., & Ruas, R (2006). Competências: Conceito, Métodos e Experiências. São Paulo: Atlas.

Ferreira, E. R. A., Bubach, C., & Silva Júnior, A. (2014). A estratégia organizacional como uma prática social: análise bibliométrica no período de 2003 a 2013. Artigo publicado no Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD (ENEO), Gramado-RS, Brasil.

Fleury, M. T. L. & Fischer, R. M. (ed.) (2007). Cultura e poder nas organizações, 2. ed. São Paulo: Atlas, 15-27.

Fonseca, J. S., & Martins, P. A. (1996). Curso de Estatística, 6. ed. São Paulo: Atlas.

Gaeta, A. C (1992). Gerenciamento dos shoppings centers e transformação do espaço urbano. In Pintaudi, S. M. & Frúgoli Jr., H. (ed). Shopping centers: espaço, cultura e modernidade nas cidades brasileiras. São Paulo: Unesp.

Hair Jr., J. F. et al (2005). Análise multivariada de dados, 5. ed. Porto Alegre: Bookman.

Hambrick, D. C. (1980). Operationalizing the concept of business-level strategy in research. Academy of Management Review, 5 (4): 567-575.

Heinzmann, L. M., & Machado, D. D. P. N. (2015). Cultura Organizacional e estágios de internacionalização: um estudo em quatro empresas do segmento de metal-mecânico-elétrico brasileiro. Brazilian Business Review, 11 (2): 35-66.

Johnson, G. (1992). Managing strategic change—strategy, culture and action. Long range planning, 25(1), 28-36.

Klein, A. (2008). Organizational culture as source of competitive advantage. Bangkok: E-Leader.

Kotler, P., & Armstrong, G. (1994). Principles of Marketing. New Jersey: Prentice Hall.

Lang, J. et al. (2014). Percepção do ambiente organizacional e comportamento estratégico dos gestores de IES. Revista Brasileira de Estratégia – REBRAE, 6 (1): 56-73.

Lourenço, C. D. S., & Ferreira, P. A. (2012). Cultura organizacional e mito fundador: Um estudo de caso em uma empresa familiar. Gestão e Regionalidade, 28 (84): 61-76.

Martins, T. S. et al.(2008). A Influência da Tipologia Estratégica de Miles e Snow no Grau de Orientação para o Mercado em Instituições de Ensino Fundamental e Médio do Estado do Paraná. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 7 (2), 125-137.

Martins, T. S. et al. (2014). Um quadro analítico para a tipologia e capacidades dinâmicas de Miles e Snow. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 13 (1): 22-33.

Miles, R. E., Snow, C. C. (2003). Organizational strategy, structure, and process. Stanford. Stanford Business Books.

Mintzberg, H., Ahlstrand, B., & Lampel, J. (2000). Safári da estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman.

Mintzberg, H. et al. (2006). O processo da estratégia: conceitos, contextos e casos selecionados, 4. ed. Porto Alegre: Bookman.

Monteiro, A. S., Palma, P. J., & Lopes, M. P. (2012). Como os gigantes aprendem a dançar: o papel mediador do capital empreendedor na relação entre cultura de inovação e desempenho. Revista de Administração e Inovação, 9 (4): 44-67.

Motta, F. C. P. & Caldas, M. P. (ed.) (1997). Cultura Organizacional e Cultura Brasileira. São Paulo: Atlas.

Paz, M. G. T & Mendes, A. M. B. (2008). Estilos de funcionamento organizacional. In Siqueira, M. M. M. (ed.) Medidas do comportamento organizacional: ferramenta de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed.

Paz, M. G. T., Mendes, A. M. B., & Gabriel, I. (2001). Configurações de poder organizacional e estilos de caráter. Psicologia: organizações e trabalhos, 1 (1): 141-186.

Pedrozo, E. Z. & Rodriguez, I. A. C. (2013). Aproximações entre pensamento complexo e estratégia organizacional. Teoria e Prática em Administração, 3 (1): 1-8.

Pereira, J. A. G. & Nunes, R. S. (2002). Cultura organizacional e estratégia competitiva: um estudo de multicasos nas concessionárias de automóveis de Santa Maria (RS). Administração on-line - FECAP, 3 (4): 21.

Pettigrew, A. M. A cultura das organizações é administrável? (2007) In Fleury, M. T. L. & Fischer, R. M. (ed.) Cultura e poder nas organizações, 2. ed. São Paulo: Atlas.

Porter, M. E. (1986). Estratégia competitiva. Rio de Janeiro: Campus.

Powell, T. C. Strategic management and the person (2014). Strategic Organization, 12 (3): 200-207.

Ravishankar, M. N., Pan, S. L., & Leidner, D. E. (2011). Examining the strategic alignment and implementation success of a KMS: A subculture-based multilevel analysis. Information Systems Research, 22(1), 39-59.

Reis, J. A. F. (2007). Tipos de estratégias e estilos cognitivos gerenciais: um estudo dde suas comparações em indústrias de pequeno e médio porte. Dissertação de mestrado em Administração. Pontífica Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2007.

Robbins, S. P. (2005). Comportamento Organizacional, 11. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Sampaio, D. O., Freitas, A. F., & Máximo, M. S. (2007). O relacionamento entre estratégia e cultura organizacional em cooperativas e associações da cidade de Viçosa em Minas Gerais. Artigo apresentado no XLV Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, Londrina (PR), Brasil.

Schein, E. H. (2009). Cultura Organizacional e liderança. São Paulo: Atlas.

Scherer, F. L. & Mussi, C. W. (2000). Comportamento Estratégico: Um Estudo na Indústria de Plásticos de Santa Catarina. Revista de Ciências da Administração, (2) 4: 65-75.

Srour, R. H. (1998). Poder, cultura e ética nas organizações. Rio de Janeiro: Campus.

Tomassini, N. L. S. (2001). A influência da cultura organizacional na administração estratégica de uma empresa estatal: um estudo de caso. Dissertação de mestrado em Engenharia da Produção. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Vidal, D. M., Barbosa, J. G. P., & Bouzada, M. A. C. (2014). A relação entre pressão ambiental e comportamento estratégico: uma pesquisa em MPE do setor de autopeças. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 13 (3): 48-62.

Wooldridge, J. M. (2013). Introdução à econometria: uma abordagem moderna, 4. ed. São Paulo: Cengage Learning.

Zaccarelli, S. B. (1986). Programação e controle da produção. São Paulo: Pioneira.

Zago, C. C. Cultura organizacional: formação, conceito e constituição (2013). Sistemas & Gestão. 8, (2): 106-117.

Zanin, E. R. M., Machado, N. S., & Sehnem, S. (2011). Comportamento estratégico segundo a teoria de Miles e Snow: estudo de caso em agroindústria do oeste de Santa Catarina. Revista de Gestão Organizacional, 4 (2): 87-101.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional