How Does the Strategy Formation Process Occur in Higher Education Institutions? - A Study in Santa Catarina, Brazil

Ricardo Antonio de Marco, Gleberson de Santana dos Santos, Simone Sehnem

Abstract


The objective of this work is to know the process of strategy formation of HEI in the State from Santa Catarina, under four theoretical approaches: process planned, negotiated, permanent construction and change, from the introduction and impact of LGB 9.394 / 96. In terms of methodology, this research took a quantitative approach, using the survey method. This research is classified methodologically as descriptive, exploratory and explanatory. Constituted questionnaire collection instrument composed of 41 closed and objective questions Likert five points type and two associative tables for respondents to relate in order of importance the conditions for the formation of strategies. The questionnaires were distributed during the period of March and April 2011, at 61 HEIs from Santa Catarina, not getting return of 20 institutions. The data were tabulated and received statistical treatment through the software Statistical Package for the Social Sciences - SPSS version 20.0, making use of multivariate statistics for analysis purposes. The results go back to the process of strategy formation is strongly influenced by the task and the variables of the overall environment and atmosphere that HEIs realize its strategy as supported by the planned training strategies process. This study provided a better understanding of how the strategies in HEIs are formed in the face of environmental conditions and the choices that the leaders make to fulfill their purposes, since their performance has a strong relation with the administrative policies adopted, but mainly because of the implications that the strategic decisions adopted have contributed to its evolution.


Keywords


Strategy; Institution of higher education; LGB 9.394/96.

References


Aguiar, A. B., & Frezatti, F. (2014). Uso de medidas não financeiras de desempenho, estratégia e orientação temporal de gestores das "Melhores empresas para você trabalhar‟. REAd. Revista Eletrônica de Administração, 20(1), 114-139.

Andrade, M. M. (2002). Introdução à metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas.

Andrews, K. (1971). The concept of strategy. Homewood, IL: Irwin.

Ansoff, H, I. (1965). Corporate strategy. New York, NY: McGraw-Hill.

Barney, J. B., & Hesterly, W. (2006). Organizational economics: Understanding the relationship between organizations and economic analysis. The SAGE handbook of organization studies, 110-148.

Brasil. Censo do Ensino Superior 2005. 2006. Disponível em: . Acesso em: 02 dez 2009.

Brasil. Inep – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas em Educacionais Anísio Teixeira. (2014). Censo da educação superior 2012: resumo técnico. Brasília, DF: INEP.

______. Censo do Ensino Superior 2008. 2009. Disponível em: . Acesso em: 02 dez 2009.

Brito, R. P., & Oliveira, L. B. (2016). A Relação entre Gestão de Recursos Humanos e Desempenho Organizacional. Brazilian Business Review, 13(3), 95-115.

Campos, I. F., & Verni, M. L. (2006). Gestão Universitária: uma analogia do ponto de vista de dinossauros, gazelas e tigres em três instituições de ensino superior privado. In: VI Colóquio Internacional Sobre Gestão Universitária Na América Do Sul, 6, 2006, Blumenau. Anais... Blumenau: FURB.

Capalonga, G., Diehl, C. A., & Zanini, F. A. M. (2014). Estratégias percebidas sob o foco da teoria de posicionamento estratégico, da visão baseada em recursos, da missão estratégica e da tipologia organizacional: um estudo com empresas do Sul do Brasil. Brazilian Business Review, 11(3), 29-55.

Cardoso, A. L. J., & Kato, H. T. (2015). Análise das publicações sobre capacidades dinâmicas entre 1992 e 2012: discussões sobre a evolução conceitual e as contribuições dos autores de maior notoriedade na área. Revista de Administração Mackenzie, 16(3), 201-237.

Carneiro, J. M. T., Cavalcanti, M. A. F. D., & Silva, J. F. D. (1997). Porter revisitado: análise crítica da tipologia estratégica do mestre. Revista de Administração Contemporânea, 1(3), 7-30.

Carvalho, D. M., Prévot, F., & Machado, J. A. D. (2014). O uso da teoria da Visão Baseada em Recursos em propriedades rurais: uma revisão sistemática da literatura. Revista de Administração, 49(3), 506-518.

Collis, J., & Hussey, R.. (2005). Pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2ª ed. Porto Alegre: Bookeman, 2005.

Colossi, N., Consentino, A., & Queiroz, E. G. (2001). Mudanças no contexto do ensino superior no Brasil: uma tendência ao ensino colaborativo. Revista FAE, 4(1), 57-58.

Conke, L. S. (2013). O Pensamento Estratégico no Século XX: Explicações Históricas. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 12(4), 210.

Cyert, R.M., & March, J.G. (1963). A behavioral theory of the firm. Englewwoo Cliffs, N.J: Prentice-Hall.

Córcoles, Y. R. & Ponce, Á. T. Cost–benefit analysis of intellectual capital disclosure: University stakeholders’ view. Revista de Contabilidad -Spanish Accounting Review (RC-SAR), v.16, n.2, June–December 2013, p.106-117,

Denis, J.-L., Langley, A., & Rouleau, L. (2007). Strategizing in pluralistic contexts: rethinking theoretical frames. Human Relations, 60(1), 179-215

Drucker, P. F. (1954). The practice of management. New York: Oxford University Press.

Ensslin, L., Dutra, A., Martins, R. P., & Dezem, V. (2016). Modelo Construtivista para Apoiar o Processo de Gestão da Universidade Federal de Tocantins . Revista Ibero-Americana de Estratégia, 15(2), 122-129.

Esteves, P. C. L. (2007). Fatores determinantes de mudanças na estrutura competitiva do sistema de ensino superior de Santa Catarina. 2007. 154f. Tese (Doutorado em Engenharia da Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Fachinelli, A. C., & Alberdi, A. M. (2014). Integridade estrutural da Inteligência Estratégica: uma avaliação em uma Corporação Cooperativa. Brazilian Business Review, 11(3), 81-105.

Faoro, R. R., Olea, P. M., Roesch, S. M. A., & Abreu, M. F. (2014). Diferenciação e foco para obtenção de vantagem competitiva: o caso da Beta Sistemas. REAd. Revista Eletrônica de Administração, 20(3), 838-856.

Faria, A. A., Imasato, T., & Guedes, A. L. M. (2014). O que Gestão Estratégica tem a ver com capitalismo(s)? . Revista de Administração Contemporânea, 18(Ed.Esp.), 1-21.

Hair Jr, J. F., Babin, B., Money, Arthur H., & Samuel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. – tradução Lene B. Ribeiro. – Porto Alegre: Bookman

Idenburg, P. J. (1993). Four styles of strategy development. Long range planning, 26(6), 132-137.

LDB – Lei das Diretrizes e Bases da Educação Nacional n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Seção 1, p.27.839.

Learned, E. P., Christensen, C. R., Andrews, K. R., & Guth, W. D. (1969). Business policy: Text and cases. Homewood, IL: RD Irwin.

Lima, P. S. H., Lima, C. R. M., Dias, I. A., & Lima, M. V. A. (2016). Yield Management em Instituições de Ensino Superior: um Estudo de Caso na Modalidade de Ensino a Distância de uma Universidade Comunitária. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 15(3), 70-87.

Martins, E. S., Rosseto, C. R., Lima, N. C., & Penedo, A. S. T. (2014). Comportamento estratégico e ambidestria: um estudo aplicado junto às empresas vinícolas brasileiras. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 16(52), 392-415.

Meyer Jr., V., & Murphy, J.P. (2000). Dinossauros, gazelas e tigres: novas abordagens da administração universitária. São Paulo: Insular.

Mintzberg, H. (2006). Ascensão e queda do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman.

Mintzberg, H., Ahlstrand, B., & Lampel, J. (2000). Safári de estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman.

Mintzberg, H., & Mchugh, (1985). A. Strategy formation in an adhocracy. Administrative Science Quarterly, v.30, n. 2, p. 160-197, jun..

Mintzberg, H., & Quinn, J. B. (2001). O processo da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Miragaia, D. A. M., Ferreira, J., & Carreira, A. (2014). Do stakeholders matter in strategic decision making of a sports organization?. Revista de Administração de Empresas, 54(6), 647-658.

Montenegro, L.M.; Bulgacov, S. (2015). Governança e estratégia no curso de graduação em administração na perspectiva da teoria do ator-rede. Revista Administração Contemporânea. Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, art. 3, pp. 212-231, Mar./Abr.

Morais, N. M., Forte, S. H. A. C., Oliveira, O. V., & Sobreira, M. C. (2015). Proposição de método para avaliar a maturidade do processo de cenários nas organizações. Revista de Administração Mackenzie, 16(2), 214-244.

Murray, E. A. (1978). Strategic choice as a negociated outcome. Management Science, 24(9), 961-972.

Nicolau, I. (2001). O conceito de estratégia. Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTC). Lisboa.

Oliveira, Francisco Estevam Martins (2007). SPSS Básico para análise de dados. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna Ltda.

Oliveira Junior, A. B., Borini, F. M., Bernardes, R. C., & Oliveira, M. J. (2016). Impact of entrepreneurial orientation on strategic alliances and the role of top management. Revista de Administração de Empresas, 56(3), 315-329.

Palácios, F. A. C.(2015). Proposta de esquema analítico para o processo estratégico – O caso de uma universidade pública. Revista de Administração Mackenzie, 16(2), 127-156.

Pereira, M. I., & Santos, S. A. (2001). Modelos de gestão: uma análise conceitual. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Pettigrew, A.M. (1987). Context and action in the transformation of the firm. Journal of Management Studies, 24(6), 649-670.

______ . (1977). Strategy formulation as a political process. International Studies of Management & Organization, 7(2), 78-87.

Pinto, R. F., Guerrazzi, L. A. C., Serra, B. P. C., & Kniess, C. T. (2016). A Pesquisa em Administração Estratégica: um Estudo Bibliométrico em Periódicos Internacionais de Estratégia no Período de 2008 a 2013. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 15(2), 22-37.

Porter, M. E. (1980). Competitive strategy: techniques for analyzing industries and competitors. New York : Free Press.

______ . (1985). Competitive Advantage: creating and sustaining superior performance, The Free Press, New York.

Porto, C., & Régnier, K. (2003). Cenários do ensino superior no Brasil e no mundo – condicionantes, tendências e cenários para o horizonte 2003-2025. Brasília: MEC.

Rebelo, L. M. B. A.; Coelho, C. S. R.; Erdmann, R. H. (2005). Edificação de um construto teórico sobre processo de formação de estratégias de gestão em instituições de ensino superior (IES) à luz dos pressupostos da teoria da complexidade. In: Encontro Da Associação Nacional De Pós-Graduação Em Administração- Enanpad, 27, 2005, Brasília. Anais... Brasília: ANPAD.

Rodrigues, M. A. S., Chimenti, P., Nogueira, A. R. R., Vaz, L. F. H., & Repsold, A. (2014). From print to screen: changes and challenges facing the Brazilian publishing industry. Revista de Administração, 49(3), 491-505.

Roesch, S.M.A. (1999). Projetos de estágio e de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Rudio, F. V. (1986). Introdução ao projeto de pesquisa científica. Petrópolis: Vozes.

Sampaio, R. M., & Laniado, R. N. (2009). Uma experiência de mudança da gestão universitária: o percurso ambivalente entre proposições e realizações. Rev Adm Pública, 4(1), 151-74.

Santini, F. O., Ladeira, W. J., Araújo, C. F., & Finkler, E. N. R. (2015). A relação entre percepção de valor e retenção: uma análise entre faculdades e universidades particulares. Revista de Gestão, 22(3), 417-434.

Simon, H. A. (1947). Administrative behavior: a study of decision-making processes. New York: MacMillan.

______ . (1971). Comportamento administrativo. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV.

Stallivieri, L. (2003). O Sistema de Ensino Superior do Brasil características, tendências e perspectivas. Caxias do Sul: FUNDAI, UCS.

Steiner, G.A. (1969). Top management planning. New York: MacMillan.

Steiner, J. E. (2006). Diferenciação e classificação das instituições de ensino superior no Brasil. Ensino Superior. Conceito e Dinâmica. São Paulo: Edusp.

Vahl, T., Meyer, J. V.; Finger, A. P. (1989). Desafios da administração universitária. Florianópolis: Editora UFSC.

Vergara, S. C. (1998). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 1998.

Wilson, R.P. (1995). The forading behaviour of the african penguin spheniscus demersus. In Dann, P.; Norman, I.; Reilly, P. The Penguins: Ecology and Management. Surrey Beatty & Sons Pty Ltda, Australia.

Wright, P. L., Kroll, M. J., & Parnell, J. A. (1998). Strategic management: concepts and cases. Prentice Hall.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional