Competitive Intelligence as a Support to the Business Strategy in Micro and Small Companies: A Study in The Aerotropolis of Belo Horizonte

Frederico Cesar Mafra Pereira, Ester Eliane Jeunon, Regiane Santos Barbosa, Leonora da Cunha Duarte

Abstract


The competitive context in which an enterprise operates can become even more impacting when there are environmental factors that bring massive scenario changes. The implementation of an Aerotropolis, which is an urban structure that has the airport as its center and, in its surroundings, activities related to it, requires an entrepreneurial and innovative positioning of enterprises, regardless their size. Based on this statement, the focus of this article was to analyze how the Competitive Intelligence is configured in Micro and Small Companies at the Aerotropolis of Belo Horizonte with a view to the elaboration of its Business Strategies. To achieve the study purpose, a descriptive research was performed, using a qualitative approach, from the triangulation method to collection and analysis data. Informality in the implementation of Competitive Intelligence and a disability to view growth possibilities were the most striking features on the results. There is a significant opportunity for improvement in the management processes of the companies surveyed, showing the importance of research conducted for the economic development of the region.


Keywords


Small and Micro Enterprises; Competitive Intelligence; Business Strategy; Competitiveness; Belo Horizonte Aerotropolis.

References


Albano, C. S., & Araújo, M. H. (2013, maio). Inteligência competitiva e monitoramento ambiental utilizando informações disponíveis na internet: a viabilidade de utilizar dados governamentais abertos. In: EnADI - Encontro de Administração da Informação. Anais eletrônico... Bento Gonçalves, RS, Brasil, 4.

Alves, R. C., Antonialli, L. M., Lopes, H. E. G., Souki, G. Q., & Reis Neto, M. T. (2013). Estratégias construídas nas micro e pequenas empresas: um estudo no mercado central de Belo Horizonte. Revista da Micro e Pequena Empresa, 7(3), 3-18.

Amaral, R. M., Garcia, L. G., & Alliprandini, D. H. (2008). Mapeamento e gestão de competências em inteligência competitiva. DataGramaZero - Revista de Ciência da Informação, 9(6), 7-19.

Ansoff, H. I., & McDonnell, E. J. (1993). A administração estratégica (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Baierle, I. C., Frozza, R., Nara, E. O. B., & Kipper, L. M. (2011). O Ciclo da Produção de Inteligência como apoio à estratégia de tomada de decisão organizacional. Revista Produção Online, 11(4), 1086-1113.

Barbalho, C. R. S., Valentim, M. L. P., & Hoffmann, W. A. M. (2007, outubro). Uso da inteligência competitiva em empresas brasileiras de produtos naturais. In: ENANCIB - Encontro Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação. Anais eletrônico... Salvador, BA, Brasil, 8.

Barbosa, R. (2006). Uso de fontes de informação para a inteligência competitiva: um estudo da influência do porte das empresas sobre o comportamento informacional. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, 11(1), 91-102.

Barbosa, R. R. (2008). Gestão da Informação e do Conhecimento: origens, polêmicas e perspectivas. Informação & Informação, Londrina, 13(Edição Especial), 1-25.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. Edição Revisada e Ampliada. Brasil: Edições 70 Brasil.

Barney, J. B., & Hesterly, W. S. (2007). Administração estratégica e vantagem competitiva. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Belissa, T. (2016). Vespasiano terá complexo imobiliário de R$ 1,5 bilhão. Diário do Comércio, Caderno Negócios. Recuperado em 10 maio 2016, de http://diariodocomercio.com.br/noticia.php?tit=vespasiano_tera_complexo_imobiliario_de_r_1,5_bilhao&id=168752

Benbasat, I., Goldstein, D. K., & Mead, M. (1987). The Case Research Strategy in Studies of Information Systems. MIS Quarterly, 11(3), 369-386.

Bortoluzzi, F. R., da Silva, E. R., Saciloto, E. B., & Fachinelli, A.C. (2014). Inteligência Estratégica e Análise: revisão sistemática da literatura. Revista Inteligência Competitiva, 4(3), 27-38.

Bressan, F. (2000). O Método do Estudo de Caso. Administração On Line, 1(1), jan./mar.

Calof, J. L., & Wright, S. (2008). Competitive intelligence: A practitioner, academic and interdisciplinary perspective. European Journal of Marketing, 42(7/8), 717-730.

Choo, C.W. (2006). The knowing organization: how organizations use information to construct meaning, create knowledge, and make decisions. 2ª Ed. New York: Oxford University Press.

Collis, J., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós graduação. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Coutinho, M. L. G., & Ramos, H. R. (2015). Monitoramento Ambiental em empresa de pequeno porte: caso Run&Fun Assessoria Esportiva. In: IV SINGEP – Simpósio Internacional de Gestão de Projetos, Inovação e Sustentabilidade. Anais Eletrônico... São Paulo: UNINOVE.

Creswell, J. W. (1994). Research design: qualitative, quantitative, and mixed methods approaches (2a ed.). Thousand Oaks: Sage.

Davenport, T. H., & Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus.

Figueiredo, N. M. A. (2007). Método e metodologia na pesquisa científica. 2ª ed. São Caetano do Sul, São Paulo, Yendis Editora.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Gimenez, A. P., Pelisson, C., Krüger, E. G. S., & Hayashi Jr, P. (1999). Estratégia em pequenas empresas: uma aplicação do modelo de Miles e Snow. Revista de Administração Contemporânea, 3(2), 53-74.

Harrison, J. S. (2002). Administração Estratégica de recursos e relacionamentos. Porto Alegre: Bookman.

Herring, J. P. (1999). Key Intelligence Topics: A Process to Identify and Define Intelligence Needs. Competitive Intelligence Review, 10(2), 4-14.

Hoffmann, W. A. M. (2011). Monitoramento da informação e inteligência competitiva: realidade organizacional. Revista de Ciência da Informação e Documentação, 2(2), 125-144.

Hoffmann, W.A.M., & Chemalle, K.E. (2006). Gestão da informação para integrar inteligência competitiva em micro e pequena empresas de arranjos produtivos locais. In: GeCIC - Congresso Ibero Americano de Gestão do Conhecimento e Inteligência Competitiva. Anais eletrônico... Curitiba, PR, Brasil.

Kanter, R. M. (1995). Thriving Locally in the Global Economy. Harvard Business Review, 151-158.

Kasarda, J., & Lindsay, G. (2012). Aerotrópole: o modo como viveremos no futuro. São Paulo: DVS Editora.

Leone, R. J. G., & Leone, N. M. C. P. G. (2012). Pequenas e médias empresas: contribuições para a discussão sobre por que e como medir o seu tamanho. RAUnP. Ano IV (1), out.2011/mar.2012.

Maciel, D. (2014). Belo Horizonte no foco do mundo. Diário do Comércio, Caderno Negócios. Recuperado em 10 maio 2016, de http://www.diariodocomercio.com.br/noticia.php?id=138459.

Mafra Pereira, F. C. (2008) Uso de fontes de informação por consultores empresariais: um estudo junto ao mercado de consultoria de Belo Horizonte. Perspectivas em Ciência da Informação, 13(1), 95-111, jan./abr.

Mafra Pereira, F. C. (2016). Fontes de Informação para Negócios: análise sobre frequência, relevância e confiabilidade, baseada em estudo empírico com empresários e gestores organizacionais. Perspectivas em Ciência da Informação, 21(2), 100-119, abr./jun.

Mafra Pereira, F. C., & Santos, M.G. do A. (2015). Inteligência Competitiva na Indústria Alimentícia: práticas adotadas e proposta de estruturação da IC em uma empresa de processamento mínimo de frutas e hortaliças de Minas Gerais. Revista Inteligência Competitiva, 5(4), 1-28.

Mafra Pereira, F. C., Borges, M. A., & Jordão, R. V. D. (2015). Inteligência Competitiva em Redes Interorganizacionais: proposta de modelo para Centrais de Negócios. In: XVI ENANCIB - Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Anais Eletrônico... João Pessoa: UFPB.

Mafra Pereira, F. C., Carvalho, R. B. de, & Jordão, R. V. D. (2016). Análise do Ciclo de Inteligência Competitiva em Arranjos Produtivos Locais: estruturação e implantação do bureau de inteligência do APL de software de Belo Horizonte. Revista Inteligência Competitiva, 6(1), 139-164.

Mafra Pereira, F.C., Carvalho, R. B., Neves, J. T. R., & Quintão, A. A. (2017). Uso da Inteligência Competitiva por Micro, Pequenas e Médias Empresas: um estudo de caso nas empresas associadas à ACITA, Itabira, Minas Gerais, Brasil. In: XVIII ENANCIB – Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Anais Eletrônico... Marília: UNESP.

Mafra Pereira, F.C.; & Barbosa, R.R. (2009). A decisão estratégica por executivos de micro e pequenas empresas e a cadeia alimentar informacional como modelo integrativo de fontes de informação. In: Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, X ENANCIB, João Pessoa: UFPB, 1113-1131.

Malhotra, N. K. (2006). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 3ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Martins, E. L. C. (2011). Monitoramento informacional do ambiente de negócios na micro e pequena empresa (MPE): estudo do comércio varejista de materiais para a construção de Cuiabá-MT. Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Martre, H. (1994). Intelligence économique et stratégie des enterprises. Paris: Commissariat général du Plan.

Mattar, F.N. (1996). Pesquisa de Marketing. São Paulo: Atlas.

Mazzotti, A.A., & Gewandsznajder, F. (1999). O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira.

Miller, J. (2002). O Milênio da inteligência competitiva. Porto Alegre: Bookman.

Mintzberg, H. (1987). Crafting strategy. Harvard Business Review, 65(4), 66-75.

Mintzberg, H. (2007). Ascensão e queda do Planejamento Estratégico. Porto Alegre: Bookman.

Moraes, C. R. B., & Fadel, B. (2008). Triangulação metodológica para o estudo da gestão da informação e do conhecimento em organizações. In M. L. P. Valentin (Org.). Gestão da informação e do conhecimento. (pp. 27-40). São Paulo: Polis.

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus.

Oliveira, A. A. D. (2010). Observação e entrevista em pesquisa qualitativa. Revista FACEVV, 4, 22-27.

Oliveira, P. H. de, & Sade, W. (2016). Inteligência Competitiva no contexto das empresas mineiras de artefatos de estanho. Perspectivas em Ciência da Informação, 21(1), 23-41, jan./mar.

Oliveira, P. H. de, & Teles, E. L. (2015). Relações de dependência informacional entre os processos de administração estratégica e de inteligência competitiva. Revista Inteligência Competitiva, 5(2), 17-39, abr./jun.

Pacheco, C. G. (2010). Prospecção e Monitoramento informacional no contexto da inteligência competitiva em microempresas do ramo óptico da região de Marília/SP. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista, Marília, SP, Brasil.

Pearce II, J. A., Chapman, B. L., & David, F. R. (1982). Environmental scanning for small and growing firms. Journal of Small Business Management, 20(3), 27-34.

Pereira, C. E., & Perez, G. (2015). A Captura de Sinais do Ambiente Externo como elemento para o Processo de Inovação em Micro e Pequenas Empresas. In: IV SINGEP – Simpósio Internacional de Gestão de Projetos, Inovação e Sustentabilidade. Anais Eletrônico... São Paulo: UNINOVE.

Porter, M. E. (1996). Estratégia competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência (7a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Rocha Júnior, E. de A., Guimarães, E. H. R., & Jeunon, E. E. (2014). Gestão do Conhecimento em Agência de Fomento à Pesquisa: Proposição de um Modelo Aplicado. Revista Gestão & Tecnologia,14(3), 244-260.

Roesch, S. M. A. (2009). Projetos de estágio e de pesquisa em administração. 3ª ed. São Paulo: Atlas.

Sanday, P. R. (1984). The ethnographic paradigma. In: Van Haanen, J. (ed.) Qualitative methodology. Bervely Hills, Sage Publ..

SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2014). Pesquisa de avaliação 2013 e perspectivas 2014 das micro e pequenas empresas de Minas Gerais. Belo Horizonte: SEBRAE.

Souza, E. D. de., Dias, E. J. W., & Nassif, M. E. (2011). A Gestão da Informação e do Conhecimento na Ciência da Informação: perspectivas teóricas e práticas organizacionais. Informação & Sociedade: Estudos, 21, 55-70.

Starec, C. (2012). Gestão da Informação, Inovação e Inteligência Competitiva: como transformar a informação em vantagem competitiva nas organizações. São Paulo: Saraiva.

Teixeira, T. M. C., & Valentim, M. L. P. (2016). Inteligência Competitiva Organizacional: um estudo teórico. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 6(Número Especial), 3-15, jan.

Tjora, A. H. (2006). Writing small discoveries: an exploration of fresh observers’ observations. Qualitative Research, 6(4), 429-451.

Triviños, A.N.S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais. São Paulo. Atlas.

Vergara, S. C. (2014). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. 15ª ed. São Paulo: Atlas.

Vitorino, A. H., & Garcia, L. G. (2013). Inteligência Competitiva na ampliação da efetividade da publicidade de Micro e Pequenas Empresas. In: XIV ENANCIB - Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Anais Eletrônico... Florianópolis: UFSC.

Yin, R. K. (1984). Case study research: design and methods. Beverly Hills, CA: Sage Publishing.


Full Text: PDF (Português (Brasil))

Refbacks

  • There are currently no refbacks.




Iberoamerican Journal of Strategic Management  e-ISSN: 2176-0756

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença
Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional